Limpe o lixo do seu coração, pois seu Eu verdadeiro está lá

Nós sabemos que somos resultado de nossas experiências, escolhas, influências. Somos um pouco de tudo, muitas vezes vazios de muitas coisas. Temos nosso lado cru, bruto, inacabado.

Mas somos também o monte de lixo que colocamos em nossa mente, que polui nossa alma que interrompe nosso caminho para a tão desejada felicidade.

As pessoas buscam terapia e outras formas de tratamento querendo voltar para dentro de si, do seu eu, querendo ser mais leves e querem fazer uma imersão a esta volta ao começo. Na verdade, buscar o Eu é limpar o que está impregnado nele. As cascas, as muitas peles da superficialidade.

E é como se precisasse se despir ou limpar o corpo num banho. É preciso deixar ir aquela bagagem que está pesando muito.

Pensamentos de rejeições, desentendimentos, abusos, romances que não deram certo, empregos que não vingaram, oportunidades que passaram e não foram aproveitadas.

Fácil? Não. Então, pegue aí um cafezinho, um vinho, um caderninho e anote aquelas coisas que hoje são só tratadas como inúteis, que não têm razão de ser na vida, que não acrescentam, que com ou sem seu julgamento continuarão a ser o que são. Ah, bom começar limpando culpas e perdões.

E perdoar é interpretar novamente um fato, que no momento do “erro” enxergou-se de maneira diferente. Poderia não ter acontecido, mas foi, aconteceu, teve arrependimento, teve dor, teve alguma lágrima e angústia.

Mas dá para se montar pensando nas coisas boas que se adquiriu na estrada. Dá para se refazer.

É possível deixar o passado de acúmulos dispensáveis para lá. Se pesquisar na internet, há várias dicas de mandar este lixo embora. E nada de colocar debaixo do tapete e depois correr e dar uma espiadinha.

Quem quer se encontrar e vive nesta busca tem que ter noção de que só limpando, de verdade, com coragem, sem medos de se desapegar do vitimismo, das dependências, de dores e de responsabilidades que não são suas, e que seja lá porque motivo você acha que são, é que dá para estar em paz com a alma, em comunhão com o espírito.

E se as lembranças voltarem, se tentarem assombrar seus dias e noites, tenha coragem de dizer com toda convicção:

“Com licença, isto não mais me pertence, estou livre, estou no caminho da felicidade que está aberto para mim e para o meu eu verdadeiro que sempre esteve aqui e que por descuido se perdeu de mim”. Mas não se perderá novamente!


Direitos autorais da imagem de capa: wall.alphacoders / 724744



Deixe seu comentário