ColunistasRelacionamentos

Logo eu que sempre pensei ter o controle sobre os meus sentimentos…

Logo eu que sempre me protegi tanto… logo eu que sempre pensei ter o controle sobre os meus sentimentos



“E quem foi que disse que existe razão nas coisas feitas pelo coração.”

Hoje eu finalmente entendo o que essa expressão significa.

Logo eu que sempre me protegi tanto… logo eu que sempre pensei ter o controle sobre os meus sentimentos, tive que aprender da maneira mais bonita que, às vezes, não faz sentido, às vezes não dá para entender, às vezes, a gente só precisa mesmo sentir.


Às vezes, não precisamos definir o sentimento, pode ser amor, pode ser só paixão, pode ser só vontade, pode ser só uma atração do momento. Não importa. 

O que conta são os sorrisos despertos, os calafrios, os arrepios e os abraços apertados.

O que conta é o coração que bate acelerado, é a sensação de conhecer, mesmo sem saber muito sobre a pessoa. O que conta é o beijo demorado que faz o mundo parar por alguns segundos.

Às vezes, a gente tem que deixar a razão de lado para poder deixar o coração se aventurar, e, quem sabe, o que pode acontecer?


Às vezes, a gente pensa demais e vive de menos.

E gostaria de finalizar com um texto que define bem esse sentimento de abraçar o incerto, porque, às vezes, só às vezes, tudo bate, e se não se arriscar você pode se arrepender, porque:

“Às vezes o santo não bate.

Às vezes o signo não bate.


Às vezes o sexo não bate.

Às vezes a sintonia não bate.

Às vezes o sentimento não bate.

Mas às vezes


só às vezes

tudo bate.

E a gente apanha sorrindo.” (Léo Ottesen)


Nem sempre o amor é suficiente para duas pessoas ficarem juntas. Relacionamento tem que ser via de mão dupla.

Artigo Anterior

Planejar, deixar fluir e agradecer!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.