Notícias

Luciano Hang colocou R$ 800 mil via Rouanet em musical sobre sertanejo

Foto: Divulgação
capa luciano

As Lojas Havan, do empresário bolsonarista Luciano Hang, usaram a Lei Rouanet para investir R$ 800 mil em duas temporadas do musical Bem Sertanejo, que conta a história do gênero no país.

A primeira temporada do espetáculo ocorreu em 2016 e contou com R$ 300 mil de investimento da Havan, feito por meio da Lei Rouanet. Hang voltou a usar o mecanismo para financiar a terceira temporada do musical, com depósito de R$ 500 mil, em 2018.

A Havan investiu mais de R$ 24 milhões em projetos culturais cadastrados na Lei Rouanet. As empresas que usam o mecanismo de financiamento podem abater parte do valor investido do imposto de renda.

Bolsonaro voltou a criticar a Lei Rouanet nesta semana, ao defender cantores sertanejos que tiveram expostos cachês milionários pagos por prefeituras de todo o país. A polêmica surgiu após a dupla sertaneja Zé Neto e Cristiano atacar o mecanismo de financiamento cultural durante um show em Bonito (MS), no dia 12 de maio.

Estrelado por Michel Teló, o musical Bem Sertanejo teve quatro temporadas e foi sucesso de público. O espetáculo voltará ao teatro neste ano, com apresentações em São Paulo em todos os fins de semana de agosto e setembro.

O musical foi inspirado na série de mesmo nome que Teló apresentou no programa Fantástico, da TV Globo. Entre os artistas convidados para a série estavam a dupla Zé Neto e Cristiano e o cantor Gusttavo Lima.

Ao todo, as quatro temporadas do musical captaram mais de R$ 28 milhões. Outras grandes empresas financiaram o espetáculo, como Bradesco, Raízen, Bridgestone e PagSeguro.

Em contato Hang disse que assistiu ao musical e que centenas de pessoas trabalhavam nos bastidores — o que acontece com qualquer espetáculo ou grande show financiado com a Rouanet.

Não era para o Michel Teló, e sim para os cantores, dançarinos e artistas. A cultura é isso, é preciso fomentar o desenvolvimento. O musical contava a história de toda a música sertaneja”, disse.

“Gostaria de deixar bem claro que nem o presidente Bolsonaro nem eu somos contra dispositivos criados para ajudar empresas e a classe artística”, afirmou Hang. “Ajudar um artista não é pecado. Emprestar dinheiro do BNDES não é pecado. O problema é dar dinheiro sempre para os mesmos.

Hang 3

Direitos autorais: Reprodução/Facebook

Hang declarou que, durante os governos petistas, a Lei Rouanet e o BNDES serviam para “ajudar os amigos do rei”, e citou números apresentados pelo ex-secretário de Cultura Mario Frias em entrevista.

Na ocasião, Frias disse que 80% da verba da Rouanet foi aprovada para 10% das empresas que usavam o mecanismo.

Não foram os sertanejos que ganharam mais dinheiro na época do PT. Eles são procurados pelas prefeituras para fazer shows. Enquanto isso, na música popular brasileira, esses artistas que criticam o governo procuram o governo para ganhar verba. É diferente. O Gusttavo Lima nunca ganhou dinheiro da Lei Rouanet porque não precisa, mas os caras que estão fora de moda precisam buscar o dinheiro do governo, porque eles não têm como se sustentar se não têm plateia”, afirmou Hang, reproduzindo discurso disseminado por Bolsonaro e outros integrantes do governo.

0 %