Notícias

Luisa Mell pede prisão provisória do ex-marido pela Lei Maria da Penha

luisa mell 4

Luisa Mell, de 42 anos, por meio de sua equipe jurídica, entrou com um pedido de prisão provisória contra seu ex-marido, o empresário Gilberto Zaborowsky, de 59.



Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, o recurso foi protocolado na Vara Central da Violência Doméstica Contra a Mulher, do TJ-SP, baseado na Lei Maria da Penha, em caráter de urgência.

Angelo Carbone, advogado da apresentadora, disse ao veículo que as medidas protetivas adotadas até o momento não atenuaram a situação de Luisa, que já chegou a fazer um boletim de ocorrência contra o ex no final de setembro. À polícia, Luisa Mell disse ser vítima de um relacionamento abusivo.

Ainda de acordo com o advogado da ativista da causa animal, o pedido de urgência é para que Zaborowsky seja detido para interrogatório e averiguação de seu local de residência atual. É sugerido que, caso ele seja liberado depois, que seja com tornozeleira eletrônica.


Ao ser procurado para contar o seu lado da história, Gilberto Zaborowsky disse que se defenderia em juízo. O advogado também afirma que Zaborowsky “é dependente de drogas e com um poder incalculável financeiro, aduz que vai fazer justiça com as próprias mãos”.

Carbone afirma que está em busca de calmaria para Luisa. “Ela sofre com as pressões psicológicas e agressões verbais. Ela teme até sair de casa. O motivo é um ex-marido que extrapolou as regras e deve ser contido. Ela quer ser feliz, cuidar do filho e poder ir e vir. Para isso, invocou a Lei Maria da Penha”, afirma Carbone.


 



View this post on Instagram




 

Uma publicação compartilhada por Luisa mell (@luisamell)

Zaborowsky não se pronunciou sobre as acusações. Anteriormente, havia dito que iria se defender na Justiça. Luisa Mell não irá manifestar publicamente neste momento. Segundo o advogado, ela está “depressiva e chora muito”.

Luisa revelou recentemente que sofreu violência médica ao ser submetida a uma lipoaspiração nas axilas sem sua autorização. “Tive o ano mais triste da minha vida”, ela disse durante um desabafo em que afirmou ainda sofrer com o episódio.


Se você presenciar um episódio de violência contra a mulher ou for vítima de um deles, denuncie o quanto antes através do número 180, que está disponível todos os dias, em qualquer horário, seja através de ligação ou dos aplicativos WhatsApp e Telegram.

“A doença não domina minha vida”, diz pedagoga com câncer em metástase

Artigo Anterior

Padre posta foto sem camisa e web não perdoa: “É biscoito ou hóstia?”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.