Notícias

Lula ataca Bolsonaro: “Ele faz questão de ser ogro e de ofender as pessoas”

Fotos: Depositphotos.com
lula bolsonaro

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou hoje que o atual presidente, Jair Bolsonaro (PL), não gosta de relações civilizadas, e que faz questão de ser “ogro”.

Em entrevista, ele citou ainda os ataques da família do presidente à jornalista Miriam Leitão.

“O presidente da República ataca a democracia todo dia, a imprensa, todo dia, jornalista, todo dia. E não é o presidente sozinho, é ele e a família toda. Ele acaba de atingir, com acusações que jamais poderiam acontecer, a Miriam Leitão, a acusando porque foi presa. Esse tipo de gente não presta para governar o Brasil, essa gente que enaltece o Ustra, que foi um torturador”, declarou.

“Qual é a prática democrática dele [Bolsonaro]? Nenhuma. Não respeita direitos humanos, não respeita negro, índio, provoca desmatamento todo santo dia. Ele não gosta de relação civilizada, ele faz questão de ser ogro, de ser ignorante, de ofender as pessoas de tudo quanto é jeito.”

No último domingo (3), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) debochou da tortura sofrida pela jornalista durante a ditadura militar, em uma publicação em que ela afirmou que Jair Bolsonaro é um “inimigo confesso da democracia”. “Ainda com pena da cobra”, escreveu Eduardo nas redes sociais.

Segundo relatos da própria jornalista, durante a ditadura militar ela foi presa e torturada com tapas, chutes e golpes que abriram sua cabeça. Além disso, teve de ficar nua em frente a 10 soldados e três agentes de repressão e passar horas trancada em uma sala com uma jiboia – a cobra, citada por Eduardo Bolsonaro. Na época, a jornalista estava grávida de 1 mês.

Lula já havia demonstrado apoio a Leitão, dizendo que “comemorar o sofrimento alheio é perder de vez a humanidade”.

“Minha solidariedade à jornalista Miriam Leitão, vítima de ataques daqueles que defendem o indefensável: as torturas e os assassinatos praticados pela ditadura”, escreveu o petista nas redes sociais.

Outros presidenciáveis também se manifestaram, como os ex-ministros Ciro Gomes (PDT) e Sergio Moro (União Brasil) e o deputado federal André Janones (Avante).

“Difícil saber quem é o pior dos torturadores. O que fere primeiro ou o que reacende a chaga da memória sempre aberta de um torturado. Ao debochar de Miriam Leitão, o verme Eduardo Bolsonaro nos provoca esta sombria reflexão”, escreveu Ciro.

Moro disse que o ataque foi “covarde”. “É inaceitável usar um episódio de tortura para atacar a jornalista Miriam Leitão . A vergonha está no ofensor. Covarde é quem ofende mulher”, disse.

Segundo Janones, o ataque a Miriam Leitão foi covarde e inescrupuloso. “É impossível de explicar; que tipo de ser humano debocha do fato de uma mulher grávida ter sido torturada?”.

Deputados de oposição protocolaram uma representação no Conselho de Ética da Câmara pedindo a cassação de Eduardo.

0 %