Comportamento

Depois de passar mal em presídio, Monique, mãe de Henry Borel, é internada

Monique foi presa como suspeita do assassinato pelo próprio filho. Saiba mais.



A morte de Henry Borel, de 4 anos, no último dia 8 de março, causou uma grande comoção em todo o país. No dia de sua morte, o menino estava no apartamento em que vivia com a mãe Monique Medeiros, e o padrasto, o vereador Dr. Jairinho, na Barra da Tijuca (RJ).

O casal levou o menino de madrugada até um hospital, onde já chegou morto, alegando que ele havia sofrido um acidente em casa e que, ao encontrarem-no no quarto, estava “desacordado e com os olhos revirados e sem respirar”.

A versão dos responsáveis pelo menino, no entanto, não foram confirmadas pelos laudos da necropsia realizados em Henry e também da reconstituição do caso. No documento oficial da morte do menino, consta que ele morreu devido a uma hemorragia interna e laceração no fígado causada por uma ação de violência.


Através das investigações, a polícia conseguiu comprovar que o menino havia sido torturado pelo padrasto Jairinho semanas antes de sua morte, e que Monique sabia da realidade do filho.

Mensagens trocadas entre mulher e a babá de Henry também comprovam a ciência de Monique sobre as agressões.

Por conta disso, a prisão temporária do casal foi decretada, já que são considerados suspeitos de homicídio duplamente qualificado, com emprego de tortura e sem chance de defesa para a vítima, além da tentativa de atrapalhar as investigações do caso e de ameaçar testemunhas para combinarem versões.

Monique, que está presa no Instituto Penal Ismael Sirieiro, em Niterói (RJ), foi encaminhada para o Hospital Penal Hamilton Agostinho na última segunda-feira (12), segundo informações do G1.


A Secretaria Estadual de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro (Seap) comunicou que a mulher teve dores abdominais após urinar e pediu atendimento, sendo levada ao hospital que fica dentro do Complexo Penitenciário de Gericinó, onde está.

Monique foi diagnosticada com infecção urinária, e, incialmente, poderia ficar internada por pelo menos 3 dias, recebendo medicação e acompanhamento, até que estivesse liberada.

Entretanto, no final da tarde do mesmo dia, a Seap comunicou que a mulher já estava sentindo-se melhor, e foi liberada pela equipe médica para retornar ao Instituto Penal Ismael Sirieiro, em Niterói.


Pai que manteve criança presa em barril pode ser preso por até 10 anos. Confira as possíveis punições!

Artigo Anterior

Mulher é morta por vizinho e marido diz: “Ela não fez nada (…). Morreu pra nada, por nada”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.