Comportamento

Mãe de menino Miguel se matricula em Direito: “Decisão me dá força de manter Miguel vivo no meu coração”

capamãe de menino Miguel se matricula em Direito decisão me dá força de manter Miguel vivo no meu coração

Mirtes mostrou que tem uma grande força e um coração cheio de empatia. Através de sua decisão, ela poderá ajudar a muitas pessoas!



Uma das grandes tragédias do ano de 2020 no Brasil foi a morte do menino Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, que se deu no dia 6 de junho após uma queda do 9º andar de um dos prédios do condomínio de luxo Pier Maurício de Nassau, em Recife, local em que sua mãe Mirtes Renata Souza, de 33 anos, trabalhava como empregada doméstica.

Neste dia, Mirtes levou o filho para o trabalho porque a não estava funciona, devido À pandemia da covid-19. Em determinado momento, ela precisou levar os cachorros dos patrões para passear na rua, e deixou Miguel aos cuidados da então patroa, e minutos depois recebeu a notícia de que o filho havia caído de uma altura de 9 andares.

Segunda a denúncia do Ministério Público Estadual, Miguel foi deixado no elevador de serviço pela ex-patroa. Como estava sozinho, ele se perdeu no prédio e morreu ao cair de uma das sacadas da edificação. A ex-patroa se tornou ré pelo crime de abandono de incapaz com resultado morte, com os agravantes. Se for condenada, ela poderá pegar a pena máxima.


A audiência de instrução para julgamento acontecerá no dia 3 de dezembro, às 9h, na 1ª Vara de Crimes Contra a Criança e o Adolescente de Recife.

A dor que Mirtes viveu no dia da perda do filho, e que ainda a acompanha em seu dia a dia mais de 5 meses depois, é inimaginável, mas com toda a sua força, ela encontrou uma maneira de dar a volta por cima, e ajudar a outras mulheres.

2amãe de menino Miguel se matricula em Direito decisão me dá força de manter Miguel vivo no meu coração

Direitos autorais: reprodução Instagram/@mirtesrenata.

Em uma entrevista à UOL, Mirtes contou que cursará Direito a partir de 2021 para tornar-se advogada, e o motivo por trás disso é ainda mais especial.


Segundo Mirtes, que começará a trabalhar com o grupo Curumin, entidade que atua no fortalecimento da cidadania de mulheres, dos direitos humanos e da igualdade étnico-racial e de gênero, em dezembro, como palestrante de temas étnicos-raciais voltados a mulheres, essa decisão a traz forças para manter o filho vivo em seu coração, e que lutará pela justiça sempre.

A mulher também contou que recebe muitas mensagens de pessoas pedindo ajuda, e que, sendo advogada, poderá atuar em favor de outras mães.

Mirtes tem se provado uma mulher de grande valor, e que com toda a certeza será capaz de transformar a sua experiência dolorosa em um importante canal para distribuir o bem e transformação positiva por onde passar.

Que ela tenha muito sucesso em sua caminhada, e que sua força seja inspiração para muitas pessoas!


Compartilhe o texto em suas redes sociais!

Menino de 6 anos atropelou pintinho, com bicicleta, e juntou suas economias para levá-lo ao médico

Artigo Anterior

Anjo da guarda: desconhecido paga cirurgia de R$ 500 mil para menina com paralisia poder andar!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.