Notícias

Mãe de menino trans mostra rotina de transição do filho no Instagram

Design sem nome 25
Comente!

Jaciana (34) é mãe do pequeno Gustavo, um garoto transexual de 6 anos. Ela decidiu compartilhar informações sobre a transição da criança em seu perfil no Instagram com objetivo de apoiar e ajudar outras pessoas na mesma situação.

Gustavo iniciou sua transição aos 4 anos de idade, depois de Jaciara ser chamada na escola onde foi recomendada pelas professoras a procurar um tratamento para depressão para a menina, na época.

Uma funcionária do colégio questionou a então garota o que poderia fazer para que ela se sentisse melhor e ouviu como resposta: “A senhora me tratar como menino. Porque eu não sou uma menina, sou um menino.”

Conversando com a criança, Jaci, como gosta de ser chamada, atendeu seu pedido e passou a trata-lo como um menino. Além disso, ela renovou o guarda-roupa e o deixou escolher um novo nome. Isso foi o suficiente para a ‘depressão’ passar e ele voltar a ser uma criança feliz.

“Quando trocamos o guarda-roupa em um bazar, ele abriu a sacola e chorou. Depois, vestiu uma bermuda e uma camisa social, foi para o espelho, começou a sorrir e pedir para eu olhar para ele”, contou.

gustavinho

Direitos autorais: Reprodução.

No entanto, o processo começou anteriormente. “Com 2 anos, ele passou a rejeitar tudo que era feminino. Nessa época, eu não entendia absolutamente nada sobre crianças trans. Nem sabia que isso era possível”, contou Jaciana ao Metrópoles.

No período em que seu filho começou a rejeitar a identidade feminina, a família morava em Fortaleza. “Ele apanhava e chorava na escola, as crianças não brincavam com ele”, relembrou.

Depois da mudança da família para São Paulo, Gustavo começou a receber atendimento psicológico, psiquiátrico e pediátrico no Ambulatório Transdisciplinar de Identidade de Gênero e Orientação Sexual do Instituto de Psiquiatria, do Hospital das Clínicas (HC).

Para relatar a rotina de Gustavo, Jaciana criou uma conta em parceria com o filho onde são publicados fotos e vídeos de dancinhas em momentos de diversão do pequeno, mas, sobretudo, relatos e informações a respeito de sua transição.

O perfil, criado em 2020, possui 22 mil seguidores e, através do espaço, Jaciana dá dicas sobre como obter atendimento médico especializado e serviços jurídicos. Até o momento ela já ajudou 35 mães que vivenciam histórias parecidas à dela.

Comente!

Marco Ricca, intubado 2 vezes com covid, diz que não teve sorte: “Hospital fechado para a burguesia”

Artigo Anterior

Vera Fischer faz 70 anos, descarta plástica e marido para ser feliz: “O que mais gosto de fazer é trabalhar”

Próximo artigo