Notícias

Mãe é presa por sequestrar filhos para evitar vacinação na Espanha

capa site Mae e presa apos sequestrar filhos para evitar vacinacao na Espanha
Comente!

Cristina Mariscal sumiu com os filhos para que o pai não as vacinasse contra a covid-19. Ela foi presa e vai responder por sequestro.

A vacinação infantil contra a covid-19 vem causando controvérsias. Enquanto alguns defendem que ela é imprescindível para conter o vírus e fortalecer as crianças, outros acreditam que a rapidez no desenvolvimento do imunizante pode representar riscos à saúde dos filhos. Mesmo assim, as autoridades vêm liberando a aplicação das doses em crianças de 5 a 11 anos, e até o momento, nenhuma reação fatal ou preocupante aconteceu.

Na Espanha, a comissão de saúde aprovou, na primeira semana de dezembro do ano passado, que as crianças de 5 a 11 anos fossem vacinadas, seguindo a recomendação da agência reguladora da União Europeia no fim de novembro. Nem todos os pais aprovaram a decisão, como foi o caso de Cristina Mariscal, de 46 anos, que preferiu sequestrar os filhos de 12 e 14 anos para que o ex-companheiro não as levassem para tomar o imunizante.

O crime aconteceu em Sevilha, e David Kau, o pai dos meninos, foi quem denunciou o desaparecimento das crianças, de acordo com reportagem do jornal El País. David e Cristina se divorciaram em 2015, e desde então possuem guarda compartilhada, mas ele não conseguia ver os filhos desde o início de novembro.

Na manhã do dia 5 de janeiro deste ano, Cristina finalmente entregou os filhos, e acabou sendo presa pela Guarda Civil por sequestro. David Kau vai assumir o poder paternal e a guarda unilateral provisória, que já tem desde 16 de dezembro do ano passado, conforme o próprio advogado José Xavier Toucedo explicou.

Assim que Cristina Mariscal desapareceu com os filhos, ela escolheu informar ao ex-marido, através de um advogado, que não lhe entregaria mais os meninos, tampouco os levaria à escola. Na cabeça da mãe, essa era a melhor maneira de impedir o pai de vacinar os meninos contra a covid-19, que continua fazendo muitas crianças vítimas de sua infecção mais grave.

A mãe deu início a um processo, pedindo para ter plena autoridade parental sobre os meninos em tudo relacionado à vacinação, mas o Juizado de Família nº 17 de Sevilha decidiu a favor das crianças vacinadas. O representante legal da mãe, Francisco de Borja Gómez Martínez-Fresneda, disse ao jornal que foi ele quem a aconselhou a entregar os filhos; como existia um mandado de busca e prisão emitido no dia 31 de dezembro, assim que ela deixou os meninos, o tribunal entrou em contato com os agentes, que a prenderam por rapto.

2 Mae e presa apos sequestrar filhos para evitar vacinacao na Espanha

Direitos autorais: reprodução/ SOS Desaparecidos}

O advogado Martínez-Fresneda ainda afirmou que não entendeu o motivo da detenção de Cristina, já que ela compareceu voluntariamente ao tribunal, para ele “não há justa causa” na opção do juiz. Em dezembro do ano passado, o magistrado ainda deu uma declaração informando que a saúde dos menores prevalecia porque “as vacinas inoculam veneno”.

Antes de serem entregues aos tribunais de Sevilha, os meninos foram vistos uma última vez em Jerez de la Frontera, onde estavam vivendo com a mãe, e durante todo esse tempo, o pai não teve nenhum contato com os menores, nem mesmo depois que registrou o desaparecimento deles, no final de dezembro do ano passado.

Kau pediu, por meio de seu advogado, que a guarda compartilhada fosse alterada para unilateral, alegando risco para os menores. No dia 16 de dezembro, Mariscal recebeu a notificação do tribunal que informava que a guarda compartilhada tinha sido revogada temporariamente. No dia seguinte, a mãe cortou a comunicação com sua família e seu ex-marido, até a última quarta-feira.

De acordo com Martínez-Fresneda, sua cliente não está bem, adoeceu e acabou somatizando toda a situação, mas não quer ir a um hospital público. O profissional afirma que ela deseja ficar sob os cuidados de seu atual companheiro, um naturopata.

Comente!

Maíra Cardi relembra gravidez aos 16 anos: “Não tive adolescência”

Artigo Anterior

Deolane leva 53 multas de trânsito e exige explicação de funcionário

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.