ColunistasPais e Filhos

“mãe, posso …? todo mundo pode, menos eu. – não, não pode! e você não é todo mundo!”

Levante a mão quem nunca passou por uma situação assim. E, às mães, levante a mão qual de nós nunca se utilizou dessa estratégia para cessar pedidos com os quais não concordava ou quando,  muitas vezes não tinha como argumentar a negativa ao pedido.



Sem entrar no mérito das perguntas respondidas de tal maneira, uma coisa é certa, a resposta não poderia ser mais verdadeira.

Você não é todo mundo. Faz partes de inúmeros  grupos:  famílias,  equipes, bandos, redes sociais, coligações, multidões e algumas vezes hordas, mas não é todo mundo.

Mesmo que dentro da família (normalmente a primeira sociedade em que vivemos) cada indivíduo tem um papel único, indiviso. Por mais que receba a mesma atenção, educação, oportunidades e reprimendas que os outros familiares, a resposta individual de cada um naquele espaço será diferente. Podemos até entender que algumas respostas ou atitudes são comuns – ou mantém uma média. Entretanto, devemos lembrar que, as percepções são individualizadas e as repercussões, estas sim, podem sim ser generalizadas.


Nos demais grupos, por mais que você busque a uniformidade em pensamentos e ações,  e os interesses para pertencimento neles, certamente você não é todo mundo.

Eu, pessoalmente, gosto mais de pensar no sentido inverso. Que, embora  você não seja “todo mundo”,  o mundo todo está em você. “Todo mundo” são as pessoas. Mundo todo são, além das pessoas, as experiências vividas ou idealizadas, os anseios, as percepções, os vieses, os obstáculos e as vitórias. Aquilo  que leu, escutou, falou, que fez ou deixou de fazer. Como agiu e reagiu a tudo. O que pensou.

Você é a soma de todas as suas vivências e convivências. Nesse raciocínio, “todo mundo” que você conhece ou conheceu, direta e indiretamente, está entranhado em você. Positiva, indiferente ou negativamente, todo mundo reflete parte do que você se tornou.  Mas não é o único fator.

O que você atualmente é, o que expressa, como se comporta, como se relaciona interna e externamente é resultado de “todo mundo” e suas percepções. E a consequência , o mundo todo está em você.


Por esta razão, mundo todo difere de “todo mundo”. É maior, mais abrangente e profundo. É muito mais dinâmico e perturbador. Nos tira do lugar comum – todo mundo – e nos coloca individualmente como de uma grandiosidade incomparável.

Implica em respostas que envolvem percepções simultâneas em diversos níveis – sociais, comportamentais, espirituais, sentimentais, lógicos etc. Tudo junto misturado. Tudo junto misturado, porém resultando  em cada ser, cada um de nós, em algo único, especial.

Cada um de nós como miniaturas do mundo todo ao nosso redor e grandes demais para caber  na expressão “todo mundo”.

Quem sabe, a partir de agora, quando você escutar ou recordar que um dia ouviu uma negativa baseada em: “Você não é todo mundo.” possa fechar os olhos e dizer mentalmente:


Felizmente eu não era e nem sou todo mundo, mas o mundo todo sou eu!

__________

Direitos autorais da imagem de capa: stockbroker / 123RF Imagens


Sua vida é exatamente aquilo que você quer que ela seja. Somos donos do nosso destino, do nosso futuro!

Artigo Anterior

Aceite-se e trate-se bem! Descubra o seu universo interior e passe a operar a partir dele

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.