ColunistasPais e Filhos

Mães e seus tipos, qual é o seu?! Você é a mãe que sempre desejou se tornar?

Mães e seus tipos site

Acredito que para muitas mulheres a maternidade seja a principal mudança e também um grande caminho para o amadurecimento. E isso nos leva ao tema de hoje:



“Mães e seus tipos, qual é o seu?” Você é a mãe que sempre desejou se tornar?

Você é a melhor mãe do mundo e não sente culpa, nem se cobra por nada? Acredito que a maioria sinta algum sentimento “ruim”, seja, medo, apego, insegurança, cobrança, raiva, sono e por aí vai.

E como devemos agir diante de todos esses sentimentos? Queremos ser a melhor mãe do mundo, estar certa e acertar sempre, como uma perfeição! Como se fosse fácil (risos).


A maternidade vem acompanhada de uma grande bagagem emocional, que nos faz ser um determinado tipo de mãe. E, muitas vezes, isso é de total desconhecimento nosso. Vamos trazer isso para nossa consciência e sermos melhores?

Vamos olhar agora para como foram nossos pais:

Tipo 1 – Você acredita que recebeu tudo que precisava dos seus pais. Sabe que o amor existia mesmo sem ser demonstrado.

Tipo 2 – Você foi muito amada, recebeu tudo, foi muito protegida e hoje não gosta de ser contrariada.


Tipo 3 – Você tinha tudo de material, mas seus pais eram ausentes.

Tipo 4 – Você teve uma vida financeira abundante e recebeu muito amor. Sente-se completa na vida pessoal e profissional.

Tipo 5 – Não havia muito amor na sua família, mas você sempre respeitou seus pais.

Agora, observe qual mãe você se tornou:


Muito provavelmente você repita algum padrão familiar. Agindo da mesma maneira que seus pais, por acreditar que eles fizeram o melhor por você e assim faz igual com seu filho.

Talvez acredite que seus pais poderiam ter feito melhor, não concorda com o jeito deles e faz completamente diferente.

Em qualquer dos casos, não agimos de acordo com quem somos. Nós só reagimos. Estamos no automático, seja repetindo padrões familiares ou reagindo a uma dor.

Família, trabalho, sociedade também determinam algumas de nossas atitudes como mãe. Formaram-se crenças, definimos experiências (certo e errado, bom e mau) valores e princípios que seguimos em nossa vida.


Cada ser interpreta as questões de acordo com suas experiências e tem seus próprios recursos para lidar com cada situação. A importância de olhar para cada questão e estar presente em seu dia a dia, sem passado, sem expectativas, é livrar-se de tudo que o impede de ser o que veio para ser.

Desconstrua-se e construa a mãe que sua criaturinha (seu filho – é assim que chamo o meu) precisa que seja. E isso tem a ver com o propósito da sua alma, foi por isso que seu filho veio como seu filho.

Elimine os tipos de mães e seja única. Resgate sua criança interior, brinque mais, não só com seu filho, mas com tudo na vida. Observe o que a faz feliz, respire e sinta, quem você quer ser.

Aceite quem você é! Você será mais feliz e seu filho também!


Bem-vinda à consciência!

Na luz e no amor!

Danielle A. Bento

_________________


Direitos autorais da imagem de capa: saksoni / 123RF Imagens

O respeito, base para qualquer tipo de relação, é conquistado através do amor-próprio.

Artigo Anterior

Entenda o que é o recalque e a psique de pessoas recalcadas:

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.