Relacionamentos

Marido abre mão de tudo para cuidar de esposa em estado vegetativo: “Nunca pensei em desistir”

Há cerca de três anos, David cuida de sua esposa que não consegue mais andar ou falar, precisando de companhia para as coisas mais elementares.



Sabemos que relacionamentos amorosos são coisas complexas. Se, por um lado, conhecemos pessoas que preferem a solidão, por outro, algumas parecem que aprenderam, ainda cedo, a desejar o casamento como meta de vida. É bom deixar claro que não existe certo ou errado, cada indivíduo faz o que bem desejar com sua vida, mas isso não exclui o fato de que uma relação a dois sempre terá seus prós e contras.

É preciso saber lidar com as manias do companheiro ou companheira, dividir tudo, inclusive aquelas guloseimas que você queria guardar, além de existir muita discussão sobre a dinâmica e administração da casa.

Em alguns momentos, pode até parecer que um está sufocando o outro, de tanto tempo que passam juntos. Para algumas pessoas, são aspectos negativos demais para valer a pena, mas para outras essas são justamente as características que tornam ainda mais forte o relacionamento.


O casal David e Bruna estava em uma das melhores fases das suas vidas, juntos e trabalhando. Ele era assistente administrativo, enquanto ela se dedicava à função de auxiliar de professora, ajudando na inclusão dos alunos com síndrome de Down.

Eles sempre quiseram estar juntos, são aquele tipo que combinam muito bem, não sendo possível quase enxergar um longe do outro. Em janeiro de 2018, depois de um dia fazendo as coisas de que gostam, como visitar os familiares, os dois foram assistir a um filme, mas Bruna começou a passar mal de repente. David conta que ela teve uma convulsão e, em seguida, uma parada cardiorrespiratória, mas nem sequer havia reclamado de algo ao longo do dia, como  dor ou qualquer tipo de incômodo.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@brunaedavidamor.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@brunaedavidamor.


O marido entrou em desespero, mas sabia que precisava agir rápido, e pediu um carro emprestado para um vizinho, assim conseguiria levá-la à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) mais próxima. No local, Bruna foi intubada imediatamente, mas os médicos levaram cerca de 25 minutos para conseguir fazê-la retomar a vida; estava num limite muito sério.

A equipe optou por transferi-la a outro hospital, onde poderia ter um atendimento mais adequado, mas chegando lá, Bruna teve outra parada cardiorrespiratória.

Foram alguns dias de internação, nos quais os médicos decidiram fazer uma bateria de exames para saber qual a extensão das paradas. Eles descobriram que a ausência de oxigênio no cérebro provocou uma lesão gravíssima; a mulher estava em estado vegetativo, e para a equipe, se ela abrisse os olhos, já “era muito”.

Ela precisou passar quase dois meses na UTI mais um ano e quatro meses de internação, o que abalou profundamente David, que acabou entrando em depressão. Sua companheira estava em um estado incerto, e tudo aquilo o que eles estavam construindo juntos parecia ter sido pausado, sem fazer sentido continuar.


Os médicos se surpreenderam com a evolução de Bruna, que conseguiu voltar a respirar sozinha, mexer algumas partes do corpo e até demonstrar emoções, como felicidade ou tristeza. O plano de saúde, desde 2019, oferece visitas médicas uma vez ao mês, uma técnica de enfermagem que a ajuda com a higiene pessoal todos os dias, e fonoaudióloga e fisioterapeuta duas vezes na semana.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@brunaedavidamor.

Como escolheu ficar ao lado da esposa, David precisou abandonar o emprego anterior, e atualmente trabalha como motorista de aplicativos durante a noite. O casal também recebe ajuda das mães, que sempre ficam com Bruna quando o marido precisa sair.

O que chama a atenção é o carinho e a forma escolhida por David para enfrentar essa situação. Como compartilha sua rotina nas redes sociais, é possível ver o zelo que ele tem pela esposa, fazendo questão de conversar sobre tudo com ela, tentando, principalmente, exercitar sua memória. Mesmo se sentindo triste em alguns momentos, ele revela que jamais pensou em desistir.


Vendendo balas para sobreviver, sem-teto pede ajuda: “Não sou preguiçoso, preciso de oportunidades”

Artigo Anterior

Abandonada à beira da estrada, com sua casinha, cadela de 9 anos resiste às dificuldades e é salva

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.