15min. de leitura

MASSOTERAPIA NO COMBATE À INFERTILIDADE PRIMÁRIA:

Você está com problemas para engravidar? Conheça as vantagens da Massoterapia, ela pode lhe ajudar!



Este artigo é um resumo de meu TCC apresentado em setembro de 2014.

Se vocês enfrentam dificuldades para engravidar, e isto não está relacionado a baixo nível de esperma ( que pode ser verificado com um espermograma) ou trompas obstruídas ou com aderência (digo isto porque essas dificuldades precisam de uma atenção medicinal com tratamentos bem específicos).

Se vocês acham que não tem mais jeito e que já tentaram todas as coisas possíveis, engano seu. Talvez vocês possam ser ajudados pela Medicina Chinesa, que visa estimular pontos do organismo que produzem a homeostase e equilíbrio do corpo para que o feto possa ser gerado.


Vale lembrar que todo este estudo tem embasamento cientifico, mas não deve ser realizado por pessoas que não tem experiência ou formação na área.

Vamos começar do inicio para você entender:

massagemmm

Menstruação dolorosa, cólica menstrual ou dismenorreia é a dor pélvica (baixo ventre) que ocorre antes ou durante o período menstrual, de modo cíclico. É classificada como menstruação dolorosa, a menstruação que pode impedir as atividades normais ou que necessita de medicação específica. Cerca de 90% das mulheres experimentam esse quadro em alguma fase da vida, contudo a grande maioria não procura assistência médica, pois os sintomas são suportáveis (DE MELO, 2010; REDDISH, 2006). A prevalência da dismenorreia, embora de difícil estimativa por falta de definição precisa, é uma das queixas mais frequentes em consultórios de ginecologia. Muitas vezes não damos atenção, mas ela pode estar relacionada a infertilidade.


Algumas vezes a dismenorreia pode vir associada com dor de cabeça, náusea e vômitos, desconforto digestivo, como diarréia ou constipação, desmaios, dor mamária e inchaço abdominal que pode durar toda a menstruação; pode ser primária, quando não há doença orgânica evidente que a justifique, e secundária, quando ocorre em virtude de outra condição orgânica. Uma das causas orgânicas da dismenorreia pode ser a endometriose pélvica (GIUDICE, 2010).

A Associação Americana para Medicina Reprodutiva (ASMR) define a infertilidade como a falta de gestação detectada clínica ou hormonalmente após 12 meses de relações sexuais normais sem anticoncepção (BADALOTTI & PETRACCO, 1997). Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS, 2002) estima-se que entre 60 e 80 milhões de pessoas em todo o mundo enfrentam dificuldades para realizar o seu projeto de parentalidade em algum momento de suas vidas. Calcula-se que este índice atinja aproximadamente 20% dos casais em idade reprodutiva. No ano de 2000, aproximadamente 5 a 6,3 milhões de mulheres nos Estados Unidos atravessaram problemas de infertilidade, estimando-se para 2025 um incremento deste índice para 5,4 a 7,76 milhões.

As causas de infertilidade podem incluir fraqueza constitucional, excesso de trabalho, trabalho físico excessivo, atividade sexual excessiva em idade precoce, invasão de frio e deficiências alimentares (KLONOFF, et al, 2001).

De acordo com Maciocia (1998) a infertilidade é definida como “(…) a incapacidade de reprodução de uma mulher que vem tentando há dois anos, que tem uma vida sexual normal e, claro, cujo parceiro tenha uma funçao reprodutiva normal”. Ou seja, uma mulher que nunca esteve grávida e durante 2 anos ou mais teve tentativas de engravidar sem sucesso, é diagnosticada com a infertilidade primária, no entanto, se uma mulher já havia estado grávida (mesmo havendo aborto) e tem novas tentativas de engravidar sem sucesso a mais de 2 anos, é diagnosticada a infertilidade secundária.

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a partir de dados populacionais do censo de 2000 (população brasileira: 169.799.170), 14% das mulheres em idade fértil apresentam dificuldades para engravidar o que representa um contingente de 6.573.743 de pessoas. Se estes dados forem transpostos para o total da população brasileira atual, teremos um índice de 0,28% de novos casos ano de infertilidade, o que representa 482.229 novos casais que encontram obstáculos à realização de seu desejo e parentalidade.


Como nos sentimos….

Desejar ter filhos e se deparar com uma impossibilidade neste processo, pode produzir uma ampla gama de sentimentos tais como: medo, ansiedade, tristeza, frustração, desvalia e vergonha, desencadeando por vezes, quadros de estresse importante. A situação de infertilidade pode provocar efeitos devastadores tanto na esfera individual como conjugal e desestabilizar as relações do sujeito com seu entorno social, podendo ocasionar um decréscimo na qualidade de vida (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 2001).

Diante da perda ou da ameaça do poder de procriação, muitas vezes não se distingue o que causa maior sofrimento: a ausência do filho desejado ou os sentimentos de fracasso, perda e de insegurança que invadem o indivíduo nesta situação (CHATEL,1988). A infertilidade é sentida e vivida como um evento traumático para a maioria dos casais, sendo vivida por eles como o evento mais estressante de suas vidas (KLONOFF,et al,2001). A pressão social e parental para a propagação do nome da família coloca um grande peso sobre os casais inférteis (MONGA, et al, 2004)

A experiência de infertilidade pode gerar culpa e vergonha, muitas vezes produzindo um estigma social, o qual pode acarretar alienação e isolamento. Uma acentuada queda na auto-estima, carregada de sentimentos de inferioridade, pode acabar por configurar quadros importantes de depressão, ansiedade elevada, podendo desencadear severas perturbações emocionais, na esfera da sexualidade e nos relacionamentos conjugais. Se considerarmos o conceito de saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS) o qual diz que: “saúde é o estado de completo bem estar físico, mental e social, não se reduzindo a mera ausência de doença ou enfermidade”, vê-se o quanto a infertilidade é um grave problema de saúde em muitos países em todo o mundo, pois incrementa severamente o sofrimento social (DAAR; MERALI, 2002).

Para manter uma boa saúde física e mental é necessário mais do que exercícios físicos, exames periódicos e uma boa alimentação; um dos métodos de tratamento natural mais utilizados no país, hoje, é conhecido como Terapia Integrativa, atuante nas atividades espirituais, mentais, físicas e emocionais do paciente, fazendo com que o corpo responda positivamente e de forma mais rápida aos males causados a saúde.

Os pontos de acupuntura, inicialmente, foram descobertos de forma casual pelos chineses, por observação, que quando alguns pontos do corpo eram pressionados ou perfurados ocorria uma melhora de doenças e dores. Assim, começaram a tratar as doenças que reagiam a terapias com este tipo de estimulação. Isso ocorreu séculos antes da atual prática de acupuntura ser desenvolvida. Gradualmente deu-se o desenvolvimento da evolução dos padrões de pontos da acupuntura (BASTOS, 2000).

A maternidade é por vezes o objetivo de vida de muitas mulheres; em contrapartida os problemas de infertilidade muitas vezes impedem que este objetivo seja atingido.

De acordo com Pereira (1998), os distúrbios menstruais que podem levar a infertilidade primária são ao mesmo tempo um problema de natureza médica e social; pois ameaçam as expectativas das pessoas que, através da procriação, asseguram seu lugar na continuidade das gerações. Neste sentido, considera-se a infertilidade primária uma “experiência de dilaceração biográfica, caracterizada pelo sofrimento e pelos conflitos pessoais vividos pelos homens e mulheres que atravessam esta situação” (BURY,1982 IN HARDY,1998).

Para os casais que atravessam problemas de fertilidade, assim como para suas famílias, a biologia da reprodução não é um processo fácil, direto e linear. Vai além da escolha de um par amoroso, da interação sexual, da gravidez e do parto. A infertilidade pode desencadear a revivescência de antigos traumas, perdas, sentimentos de inadequação, ciúme, inveja, tudo dentro de um processo marcado por longos períodos de interação com profissionais médicos que terminam por envolver-se intimamente no sistema do casal. Estes problemas advêm de um intenso estresse devido à não realização da gravidez e das ilusões a ela relacionadas (KUSNETZOFF,1997).


A técnica proposta foi o Shiatsu

Estímulo com moxabustão no ponto BP6, conhecido como Sanyinjiao destaca-se pela utilização na acupuntura, tendo inúmeras indicações, e inclusive utilizada para infertilidade em clássicos da MTC (Medicina Tradicional Chinesa) (MACIOCIA, 2000; ROSS, 2003; YAMAMURA, 2001; LIAN et al 2012).

Pesquisas que se utilizaram do ponto BP6 (isoladamente ou em conjunto com outros pontos), com acupuntura, para amenizar a distúrbios da menstruação que leva a infertilidade como: ZHANG (2006); HUANG (2008); SKILNAND, FOSSEN, HEIBERG (2002); ZHOU (2007); NESHEIM (2003); RAMNERO; HANSON; KIHLGREN (2002); ZIEAI (2006); MA et. al. (2010); HANTOUSHZADEH, ALHEUSSEINI, LEBASCHI (2007). A digitopressão, pressão no ponto de acupuntura, no BP6 foi eficiente para o alívio de dores provocadas por estagnação de sangue, por Hjelmstedt et. al (2010) e Lee, Chang, Kang (2004).

A deficiência do Baço não é uma causa direta das patologias ginecológicas, mas ainda assim tem relação com elas, pois o Qi (energia) do Baço tem origem no Qi (energia) do Sangue. O Sangue estando deficiente causa a deficiência no Baço (MACIOCIA, 2000)

Os meridianos, Rim e Vaso Governador foram indicados, pois quando neles há excesso ou deficiência o útero fica comprometido, como diz Sheng Ji Zong Lu apud Auteroche (1987) “ A infertilidade das mulheres pode ser devida a deficiência de Ren Mai e de Chong Mai”. O Qi dos Rins está então Vazio e Frio.

Ren Mai e Chong Mai são respectivamente o Vaso Concepção e Vaso Governador que estão diretamente ligados a nutrição do Sangue e do Yin e ao Útero. Por terem tal relação com elementos fundamentais para a fertilidade, se faz necessário que sua energia esteja plena e flua livremente pelo meridiano. A deficiência de tais canais tem inicio no Rim.

“Chong Mai é o Mar de Sangue, surge no Útero e pertence ao meridiano do Rim”, a deficiência Yang do Rim afeta o Vaso Governador, que por conseqüência atingirá o Sangue causando deficiência de Yin do Rim, atingindo assim o útero (MACIOCIA, 2000).

A utilização dos meridianos em conjunto podem trazer resultados positivos para a infertilidade, menstruação irregular e disminorreia. Assim, SHIU HON CHUI, FUNG CHUN CHOW, YIM TONG SZETO, KELVIN CHAN E CHRISTOPHER W.K. LAM (2014); concluíram que a utilização de pontos do Vaso Concepção 19, Vaso Concepção 3, Vaso Concepção 4, Vaso Concepção 6, BP6, Rim 3, Rim 8 e Rim 14. Estes pontos foram selecionados de acordo com os princípios da MTC e os protocolos foram desenvolvidos com base na experiência clínica acumulada ao longo de dez anos. A pesquisa contemplou 21 pacientes em idades de 31 a 39 anos, sendo a idade média entre as pacientes 35 anos. Destas, 14 conseguiram engravidar, sendo 11 de forma natural e 3 FIV (fertilização in vitro); recebendo menos de 40 sessões de tratamento, sugerindo-se que o tratamento é útil para a infertilidade. No entanto, vale ressaltar que algumas mulheres podem precisar de um tratamento mais prolongado dependendo de seu estado de estagnação do Qi ou de acordo com o diagnóstico médico ocidental (CHUI, et al. 2014).

As pacientes foram convidadas a iniciar o tratamento de duas a três vezes por semana após a menstruação. No período de ovulação o tratamento foi feito durante 3 dias consecutivos, principalmente dias 12, 13 e 14, e duas a três vezes por semana, durante a fase lútea. As pacientes foram aconselhadas a ter relações sexuais uma vez a cada 2 dias, a

partir de vários dias antes e depois do período de ovulação para promover a chance de gravidez. O tratamento durou 25 min. Estimulação do meridiano de Vaso Governador teve como intenção nutrir o sangue e complementar à essência. Os pontos de acupuntura contraditórios para a gravidez, os pontos abdominais inferiores, e o BP6 foram evitados durante fase lútea (CHUI, et al. 2014).

O Shiatsu, nas pesquisas que o utilizaram, obteve resposta satisfatória sugerindo que a técnica pode ser empregada nos casos de menstruação irregular e infertilidade.

Se você deseja testar estas técnicas que surtem efeitos comprovados; procure um bom profissional que possa fazer uma ficha de anamnese e indicar o tratamento adequado a você e seu cônjuge.

Tenho certeza que essa tentativa vale a pena. Se você quiser ter acesso a todo o artigo, ou ainda tiver alguma dúvida não hesite em me contatar!

Você sabia que O Segredo está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.



Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.