Comportamento

“Me senti excluído”: menino cadeirante é expulso de parque por conta da sua deficiência

Esse menino passou por um grande constrangimento no parque, onde foi se divertir com a família. Confira!



Jordan Block é um menino de 10 anos, com atrofia muscular espinhal, que precisa se locomover com a ajuda de uma cadeira de rodas. O menino já está acostumado com a sua realidade e convive muito bem com ela. No entanto, há poucos dias, passou por uma experiência negativa, que o fez se sentir muito chateado.

Segundo contado pelo Daily Mail, Jordan foi com a sua mãe visitar um parque em Chicago, nos Estados Unidos, após uma consulta médica, animado para se divertir, mas infelizmente não conseguiu concluir o seu objetivo.

Megan Block, mãe do menino, logo foi abordada por um guarda que pediu para ela deixar o local com o filho. O homem ficou preocupado com a possibilidade de a cadeira de rodas da criança machucar outro visitante, e disse que ele poderia acabar “criando problemas” para o parque. A mulher disse que tem o hábito de frequentar o local com o filho, que está na cadeira de rodas desde os 2 anos de idade, e que nunca tiveram problemas.


Direitos autorais: reprodução Facebook/Megan Block.

Em seu Facebook, Megan fez um grande desabafo, dizendo que é um absurdo o seu filho não poder se refrescar num dia quente e que as crianças deficientes devem parar de ser excluída das coisas, afirmando que os outros pais é que deveriam tomar cuidado para que seus filhos não se machucassem na cadeira de rodas de Jordan.

Jordan ficou muito abalado e surpreso com os comentários do guarda. Ele relatou que já havia se divertido no parque antes e que visitar o local é uma das poucas coisas que pode fazer que realmente gosta, principalmente nos dias quentes de verão.

Direitos autorais: reprodução Facebook/Megan Block.


Direitos autorais: reprodução Facebook/Megan Block.

Jordan também disse que se sentiu “excluído”. De acordo com o site do Millennial Park, a fonte é acessível para cadeiras de rodas e projetada sem bordas ou áreas de águas profundas para que os cadeirantes possam “entrar facilmente na área da fonte e participar com total inclusão”.

Também é informado de que não há limitações em nenhum local do parque. As autoridades responsáveis procuraram o guarda que fez o comentário à família, e o incidente está sendo tratado como um caso isolado.

O parque ainda divulgou um comunicado lamentando pela experiência de Jordan, e entrou em contato com a família para se desculpar. O menino, que teve o seu dia de diversão comprometido, disse esperar que isso não aconteça novamente e que todas as pessoas possam ser tratadas com justiça no local.


Camas da Olimpíada permitem sexo a dois, o problema é mais gente

Artigo Anterior

Desafio lógico: “Uma mãe tem 30 reais para dividir entre suas duas filhas. Que horas são?”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.