Comportamento

Médica pede que as pessoas fiquem em casa: “Não seja o paciente pedindo para não morrer!”

Em mensagem de apelo à população, a médica se emocionou ao falar sobre a realidade da pandemia nos hospitais.



A pandemia de covid-19 tem sido um período de grandes dificuldades para todos nós, de maneira geral. No entanto, os profissionais de saúde, que trabalham na linha de frente, têm testemunhado todos os dias uma realidade muito difícil, porque trabalham diretamente com as pessoas contaminadas e percebem todo o mal que esse vírus pode nos causar.

Suas batalhas diárias e a perda dos pacientes para o vírus motivam esses profissionais a compartilhar, constantemente, avisos à população, numa tentativa de conscientizá-los sobre a gravidade da realidade que estamos vivendo.

Esse é o caso da médica Geórgia Oliveira, uma intensivista do Ceará, que tem testemunhado de perto toda a gravidade da pandemia, por isso decidiu gravar uma mensagem pedindo à  população de Fortaleza que fique em casa e siga as normas de isolamento.


A mensagem da médica chegou a ser divulgada pela Secretaria da Saúde do Ceará no último dia 5, quando começou um novo decreto na capital para a suspensão de todas as atividades não essenciais.

No apelo, a médica diz que a covid-19 já levou muita gente embora e que os médicos sentem toda a dor daqueles que perderam alguém que amam. Ela revelou que “dói muito”, quando o pai, a mãe e o avô de alguém não podem ter um enterro digno nem a companhia de um familiar.

Geórgia avisa que a internação de jovens aumentou muito nos últimos meses e que pessoas com idades entre 25 e 45 anos têm sido frequentes em suas UTIs, ressaltando que a doença “mutacionou”.

Ela ainda pede que nós não sejamos “o paciente pedindo para não morrer”. Confira o vídeo logo abaixo!


Segundo apurado pelo G1, o número de mortos por covid-19 no Ceará tem aumentado desde dezembro do ano passado. O secretário da Saúde do estado disse que os novos casos têm sido apurados em todas as regiões do estado, diferentemente de 2020, quando cada região apresentava aumento em momentos diferentes.

Os leitos disponíveis não são numerosos e cerca de cinco hospitais públicos não possuem vagas para pacientes em estado grave. Além disso, 915 dos leitos de UTI dos hospitais particulares também estão ocupados.

Compartilhe o texto em suas redes sociais!


Considerado morto, jovem volta à vida pouco antes da cirurgia para retirada de órgãos

Artigo Anterior

Menino de 7 anos, que tentava vender aviões de papel para comprar celular, ganha 4 aparelhos

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.