Pessoas inspiradoras

Médico aposentado volta a trabalhar na pandemia para ajudar pacientes: “Serei médico até o fim”

Medico aposentado volta a trabalhar na pandemia para ajudar pacientes Serei medico ate o fim

A decisão de voltar a atuar, mesmo depois da aposentadoria, ajudou a diminuir as chances de o sistema de saúde local argentino entrar em colapso.



A pandemia tem nos mostrado o melhor lado das pessoas. A bondade, a empatia e o amor são os sentimentos mais presentes nos indivíduos que lutam diariamente para ajudar os mais impactados com a doença. Mesmo que existam pessoas que não se importem com os níveis de infecção, que continuem a fechar os olhos para a doença, mesmo diante de todas as vítimas que temos, as pessoas de almas boas superam as outras. Temos também percebido que é isso o que nos torna humanos: a capacidade de ajudar e de nos conectar uns com os outros.

Na Argentina, o médico Wilfredo Medrano, de 68 anos, já havia se aposentado. Com uma trajetória de muito trabalho e forte atuação em pediatria, Wilfredo, segundo o La Gaceta, trabalhou durante quase 30 anos como gerente de alguns hospitais no interior. Cuidou também de adultos e, há dois anos, retirou-se do trabalho direto com a medicina, escolhendo sua aposentadoria depois de muito cuidar das pessoas.

Em setembro de 2020, o sistema de saúde argentino demonstrava que poderia chegar ao limite muito rapidamente. O Ministério da Saúde convocou médicos aposentados e afastados para ajudarem em consultas telefônicas, já que as linhas do estado estavam completamente saturadas. A resolução mal foi publicada e, em questão de minutos, vários profissionais da área da saúde já estavam em contato com o Fundo de Aposentados e Pensionistas, pedindo para participar.


Na província de Iruya, a notícia de que Medrano estava atendendo pacientes pelo telefone se espalhou rapidamente, e muitas pessoas passaram a ligar, cheias de dúvidas e questionamentos. Na maioria das vezes, os pacientes queriam saber como agir, qual medicação era a ideal e como lidar com a infecção do novo coronavírus.

O médico revela que sentiu muita falta de atuar na sua área e que finalmente voltou a se sentir útil.

A sensação de alegria ao atender os pacientes foi notável, e ele afirmou que sempre será médico, mesmo se ficar doente, porque isso é o que ele faz e o que ele é.

Medrano também conta que nunca deixou de estudar, mesmo estando aposentado. Ele continuou se atualizando, compreendendo sobre a pandemia e o vírus, que têm feito tantas vítimas. Segundo o médico, a atuação desses profissionais ajudou a desafogar o sistema de saúde local, já que muitos passam a fazer o tratamento nas próprias residências, porque passaram antes por um médico atualizado sobre o assunto.


Wilfredo começou a ver vários colegas de profissão se infectando com o vírus, isso fez com que ele sentisse a necessidade de ajudar presencialmente, e se inscreveu. Para ele, a atual pandemia é similar à pandemia de cólera, na década de 1990, quando atuou na Colônia Santa Rosa. A única diferença é que atualmente não existe consciência da população pois, quando trabalhou na linha de frente da pandemia de cólera, a educação de todos os setores da população foi essencial para ajudar a diminuir as taxas de infecção.

Para ele, as pessoas precisam compreender que o isolamento é importante. O pulmão de uma pessoa adulta não é igual ao pulmão de um jovem atleta, e a covid-19 vai atingir esses indivíduos de forma mais severa. Podem existir lesões, fibrose e complicações da circulação sanguínea no órgão, que afetam o paciente a ponto de ele não conseguir fazer as coisas mais básicas do dia a dia.

É importante ter consciência e fazer valer o esforço que os profissionais de saúde vêm fazendo para manter as pessoas vivas.

Sair de casa apenas para cumprir o necessário, como para sua jornada de trabalho, aquela ida ao mercado e outras questões básicas e urgentes, ajuda a conter a propagação do vírus, assim como higienizar as mãos com álcool em gel ou lavá-las regularmente com água e sabão, além de usar a máscara corretamente. Existem várias opções no mercado, para que você encontre a que melhor se adapte às suas necessidades.


Os profissionais de saúde têm atuado dia e noite para melhorar a situação das pessoas, é muito importante que façamos a nossa parte!

Compartilhe com seus amigos nas redes sociais essa história de coragem!

Menino de 10 anos, que nasceu sem os braços, supera-se na natação e ganha título de atleta do ano!

Artigo Anterior

Esperança: veneno encontrado nas abelhas pode ajudar a destruir células do câncer de mama!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.