Comportamento

Médico tenta alertar sobre pandemia e é agredido: “Dói, mas estou do lado que zela pela vida”

Sem Titulo 1 2

O médico José Eduardo Mainart Panini foi agredido por um familiar que se preparava para ir a uma festa. Sua esposa também sofreu com a agressão.



Em Toledo, no interior do Paraná, um grave caso de agressão aconteceu a um médico que tentava alertar um familiar sobre os riscos da infecção por covid-19. O médico infectologista José Eduardo Mainart Panini e sua esposa, também médica, foram agredidos ao tentar explicar a um parente, que se preparava para ir a uma festa, que aquele comportamento não era o indicado em meio a uma pandemia.

Segundo entrevista que deu ao G1, o infectologista explicou que um amigo do familiar, que estava no carro, esperando-o, entrou na casa e o segurou no chão, aplicando-lhe um “mata-leão” e apertando muito seu pescoço. A esposa foi agredida com um soco, ambos registraram boletim de ocorrência.

O caso aconteceu no dia 26 de fevereiro, no mesmo dia em que o governo do estado do Paraná estabeleceu medidas rígidas para contornar o aumento de casos novos e afastar as chances de o sistema de saúde entrar em colapso por causa do aumento no número de contaminados e de mortos pelo novo coronavírus.


José Eduardo explicou que havia passado o dia em reunião para tratar sobre a piora da situação do sistema de saúde no município e, quando retornou para casa, encontrou esse parente, que mora com idosos, afirmando que ia desrespeitar todas as regras.

O médico afirmou que o homem em questão não se solidariza com o que está acontecendo e que sente muita dor pelo que tem passado, mas que tem a certeza de que está do lado de quem protege a vida.

Médico há sete anos, Panini trabalha na Prefeitura Municipal de Toledo, no Consórcio Intermunicipal de Saúde Costa Oeste do Paraná (Ciscopar) e no Hospital Doutor Campagnolo. Há um ano na linha de frente do combate ao vírus, ele defende todas as medidas de segurança, zelando pela vida do próximo e esperando que a pandemia chegue ao fim.

O médico explica que, na área da saúde, tudo está organizado para tentar vencer a doença o mais rapidamente possível, mas que agora depende exclusivamente das pessoas, da consciência de cada uma e dos atos, para que tudo acabe.


O Conselho Municipal de Saúde de Toledo publicou uma nota de repúdio em relação à agressão que o médico sofreu, e pediu que os autores sejam identificados e devidamente punidos. O conselho ainda aponta que atos desse tipo demonstram total desrespeito com o próximo e trazem apenas prejuízos a todos que estão lutando para que a pandemia fique no passado.

Comente abaixo e compartilhe nas suas redes sociais!

Luiza Trajano lança movimento para vacinar todos os brasileiros até setembro

Artigo Anterior

Bebê gerado pela tia, para irmã que não pode ter filho, nasce “lindo e saudável”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.