Meditação para a geração ocupada

Das respostas que ouço quando recomendo a meditação a alguém, aquela que mais escuto é “não tenho tempo”. O tempo é muito subjetivo. O que falta no momento histórico em que vivemos é uma sábia gestão do tempo, o que cabe a cada um de nós fazermos, de acordo com as nossas prioridades.

O conceito de tempo livre

Se a sua prioridade é o trabalho, tudo bem. Mas o fato é que sobra sempre tempo para gastar de outra maneira. Como escolhe, então, gastar esse tempo?

Esse é o chamado tempo livre. Também é um conceito relativo, de acordo com a maneira como a pessoa gere o que é mais importante, conscientemente ou não.


Por que é que parece tão difícil ter tempo livre?

Porque efetivamente o temos, e não faltam opções de como gastá-lo. Porque o nosso conceito de tempo livre engloba as horas em que não somos requeridos por mais ninguém, para fazer o que essa pessoa quer que façamos.

Porém, o tempo livre é quando nós quisermos.

Pode ser uma pequena brecha no dia, como os momentos depois de acordar ou antes de dormir, na pausa do estudo ou trabalho. Melhor ainda, quando estivermos a sós.

Esses momentos são os mais propícios para a meditação.

E é por isso que começar parece tão difícil: porque em momento algum estamos completamente sozinhos e em silêncio.


A calma externa

Temos que criar esse ambiente e, nas cidades, longe de refúgios da natureza, devemos criá-lo artificialmente do lado externo, para podermos acessá-lo naturalmente por dentro.

Fones de ouvido e uma porta fechada são duas maneiras de criar o silêncio e solitude exteriormente. Velas ou incenso podem também ajudar a criar uma calmaria externa.

Outra coisa a possuir em mente é que o relaxamento é uma coisa natural. Nascemos com a noção de que precisamos de momentos de atividade e momentos de descanso, mesmo durante o dia.

Na geração das pessoas sempre ocupadas, devido ao bombardear de informação e pressão para estar sempre ativo, esquecemo-nos de que o descanso deve ser atingido mentalmente.

Isso ajuda também no padrão de sono, já que uma mente calma e silenciosa interfere no corpo, ajudando-nos a relaxar fisicamente.


Como meditar

A meditação é um hábito que deve ser treinado diariamente, pois a cada dia, em 15 minutos, podemos atingir o estado mais puro de consciência – uma postura de leveza perante a vida, aceitando as circunstâncias como elas são, e que elimina a necessidade de controle do incontrolável. Aprendemos a confiar no divino, e em nós mesmos.


Para aqueles que já estão convencidos, aqui ficam algumas técnicas de meditação que podem ser usadas diariamente.

Relembro que, para iniciantes, apenas 5 a 10 minutos são o suficiente e, a longo prazo, 15 minutos são o ideal.

  • A respiração consciente: inspirar e expirar profundamente, prestando atenção apenas no ato de respirar e nos movimentos do corpo a cada momento de respiração. Se a mente entrar em devaneios, retorne o foco à respiração.
  • Prestar atenção ao som: escolher um som, como por exemplo o da chuva, mar, vento, ou outros ruídos brandos, e durante o tempo definido para a meditação, dar apenas atenção a esse som.
  • Meditação guiada:pesquisar em canais de vídeos alguma meditação guiada, com duração de até 15 minutos.

Essas meditações podem ser feitas em posições sentada ou deitada, em qualquer lugar tranquilo e sem distrações.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF / deklofenak



Deixe seu comentário