Notícias

Menina de 11 anos sofre abuso sexual em Osasco (SP); polícia prende avô em flagrante

Foto: Google Street View
Policiais depararam com o homem na rua com hematomas no rosto. Edenilson da Silva confessou o crime e foi preso por equipes

Um homem foi preso em flagrante, sob a acusação de abusar sexualmente da neta, em Osasco, na região metropolitana de São Paulo, na tarde deste sábado (16).

Conforme a 2ª Companhia do 14° Batalhão de Polícia Militar, a criança, de 11 anos, estava em casa com o avô, Edenilson da Silva, o pai, Leandro Gonçalves, e a mãe, na rua Gaetano del Gaizo, bairro Santa Maria.

A mulher foi à feira e na casa ficaram apenas o avô e o pai, que trabalha lavando carros no quintal do imóvel. Leandro estava no quintal quando a filha apareceu e perguntou se a mãe havia chegado da feira.

O pai respondeu que não, mas perguntou se ela estava bem e se havia algo em que ele pudesse ajudá-la. Ao perceber o nervosismo da menina, ele pegou o celular de suas mãos e visualizou mensagens que ela havia trocado com a mãe em que a pequena dizia que o avô tentava abusar dela.

Leandro foi imediatamente tirar satisfações com o pai e o agrediu com socos e chutes. O avô, por sua vez, fugiu da casa a pé na sequência. A família, pelo telefone 190, pediu o apoio da Polícia Militar, que realizou diligências pela região atrás de Edenilson.

Na avenida Ayrton Senna, as equipes viram um homem com hematomas no rosto e realizaram a abordagem. Durante a conversa, segundo a polícia, Edenilson confessou o crime e foi preso em flagrante pelas equipes.

O caso foi registrado no 5° Distrito Policial de Osasco como estupro de vulnerável. Foram solicitados exames sexológicos para a vítima no Hospital Pérola Byington


Se você presenciar um episódio de violência contra crianças ou adolescentes, denuncie o quanto antes através do número 100, que está disponível todos os dias, em qualquer horário, seja através de ligação ou dos aplicativos WhatsApp e Telegram.

O mesmo número também atende denúncias sobre pessoas idosas, pessoas com deficiência, pessoas em restrição de liberdade, população LGBT e população em situação de rua. Além de denúncias de discriminação étnica ou racial e violência contra ciganos, quilombolas, indígenas e outras comunidades tradicionais.