Notícias

Menina de 15 anos tenta matar filho de 4; criança nasceu após estupro do padrasto

143191078 fb link

Um caso chocou a população paraibana após repercussão na imprensa no mês passado. Uma jovem de 15 anos de idade tentou assassinar seu filho de 4 anos. A criança foi gerada em um estupro sofrido pela mãe quando tinha apenas 11 anos de idade.

A mãe foi estuprada com 11 anos de idade e teve de dar a luz porque só descobriu estar grávida no quinto mês de gestação. O abusador foi seu próprio padrasto.

Quatro anos depois, a mãe estava uma casa de acolhimento para pessoas em vulnerabilidade social com o filho. A criança foi atacada com uma caneta e logo foi parar em uma UTI. O caso foi parar nas autoridades, que decidiram agir de forma acolhedora com a mãe.

“Ela enxergava o agressor quando via o menino. Quando olhou para ele, veio à mente tudo o que ela tinha vivido em relação ao padrasto, as agressões, os estupros, o que ela ouvia da mãe”, avalia a Promotora da Infância Ivete Arruda.

“A situação foi um pedido de socorro. É uma bandeira de SOS que ela levanta, por tudo que passou. Ela ama o filho. Ela externou isso diversas vezes, mas o sentimento era de tirar tudo da vida dela para que a dor sumisse”, disse.

Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2021, vítimas de abuso podem apresentar diversos comportamentos violentos. “Para além dos efeitos mais visíveis e imediatos desta violência, vítimas da violência sexual com frequência sofrem transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), depressão, ansiedade, transtornos alimentares, distúrbios sexuais e do humor, maior uso ou abuso de álcool e drogas, comprometimento da satisfação com a vida, com o corpo, com a atividade sexual e com relacionamentos interpessoais”.

O juiz da Vara da Infância e Juventude de João Pessoa, Adhailton Lacet, afirmou que o caso deve ser observado com cautela. “Não faça juízo de valor em cima dessa mãe, não vamos taxá-la de assassina e perversa porque ela também sofreu muitas violações enquanto criança”, disse.


Se você presenciar um episódio de violência contra crianças ou adolescentes, denuncie o quanto antes através do número 100, que está disponível todos os dias, em qualquer horário, seja através de ligação ou dos aplicativos WhatsApp e Telegram.

O mesmo número também atende denúncias sobre pessoas idosas, pessoas com deficiência, pessoas em restrição de liberdade, população LGBT e população em situação de rua. Além de denúncias de discriminação étnica ou racial e violência contra ciganos, quilombolas, indígenas e outras comunidades tradicionais.

Exames confirmam 2 casos da variante ômicron em SP

Artigo Anterior

Vídeo mostra homem correndo algemado a moto de PM, em São Paulo

Próximo artigo