Comportamento

Menina que teve cabelo afro comparado a “larvas” consegue apoio jurídico e mais de R$100 mil

Nicole mobilizou muita ajuda depois de sofrer com uma forma de preconceito bastante comum. Confira!



O preconceito está muito presente em nossa sociedade, de diferentes maneiras. O racismo é um dos tipos que mais testemunhamos em nosso dia a dia, e é fruto dos muitos anos em que as pessoas negras, em especial, tiveram todos os seus direitos roubados com a escravidão.

Apesar de já termos passado dessa fase, os resquícios desse tempo ainda existem e se perpetuam através de palavras e atitudes diárias que podem prejudicar muito a vida dos alvos desse preconceito.

Nem mesmo uma menina de 15 anos conseguiu se livrar dos ataques racistas. Segundo contado em matéria do UOL, Nicole Cristina, de São Gonçalo (RJ), teve suas redes sociais bombardeadas por comentários maldosos no mês passado.


A jovem, dona de um perfil com quase 1 milhão de seguidores no TikTok e mais de 388 mil no Instagram, produz conteúdos sobre plantas, comida e apresentações de caratê, modalidade da qual é faixa verde.

O que começou como algo bom acabou prejudicando a vida da menina já que, segundo sua mãe Ana Cristina Jesus de Souza, há algum tempo ela vem recebendo mensagens que questionavam a sua aparência, o que acabou evoluindo para ataques pessoais.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@nicolekarateca15.

Algumas pessoas chegaram a dizer que seu cabelo afro parece “um monte de larvas” e outras questionaram se ela não poderia emprestá-lo para “arear uma louça”.


A princípio, Ana tentou esconder as mensagens da filha, mas logo ela descobriu e ficou muito desmotivada, até mesmo pensou em desistir de produzir seus conteúdos. No entanto, teve muito apoio da mãe e da irmã, e resolveu manter as redes sociais.

Nicole resolveu postar um vídeo de resposta a algumas das mensagens ofensivas, dizendo: “Como assim, eu preciso me cuidar mais? Eu não estou descuidada. Meu cabelo é assim. Eu lavo ele todos os dias.”

Infelizmente, ela chegou a ser bloqueada por um tempo em sua maior rede social, que alegou que ela estava praticando bullying, quando na verdade era ela quem estava sendo vítima de preconceito.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@nicolekarateca15.


Sua história começou a se espalhar nas redes sociais e a adolescente recebeu muito apoio. A cantora Ludmila gravou um vídeo pedindo que uma marca de produtos de beleza a tornasse embaixadora, e uma vaquinha on-line foi criada para ajudar a menina a comprar uma casa para viver com os pais e os cinco irmãos, e arrecadou mais de R$ 100 mil.

A família de Nicole ainda registrou um boletim de ocorrência denunciando os crimes de racismo e injúria racial contra a menina. Fayda Belo, advogada que a representa, disse que foram mais de 100 mensagens com conteúdo racista propagadas nas redes sociais da adolescente.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@nicolekarateca15.

Fayda assumiu o caso de forma gratuita depois de ser contatada por Ana, que pedia ajuda. Ela se reuniu com a família e acompanhou a jovem à delegacia para registrar o caso. A advogada disse que não cobra de pessoas negras e sem condições financeiras, vítimas de racismo.


Seguimos torcendo para que esta realidade tão triste seja combatida em nosso país e em todo o mundo.

Compartilhe o texto nas redes sociais!

Mãe publica vídeo dando “selinhos” na filha e gera polêmica: “Não beije sua filha assim”

Artigo Anterior

Uber se recusa a receber corrida de mãe que tem filho com leucemia: “Deus manda anjos em nossas vidas”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.