Comportamento

Menino que morava em depósito de lixo, com a família, recebe doações e ganha nova casa!

A história surpreendeu Aaron, um jovem humanitário que se dedica a arrecadar dinheiro através das redes sociais e ajudar famílias carentes na América Latina.



Quando criamos uma família, a coisa que mais desejamos é que nossos filhos tenham o maior conforto possível. Que a casa seja o local de refúgio para eles, que recebam a melhor educação, a melhor alimentação, tenham muito amor e se tornem adultos excepcionais, exercendo a profissão que desejaram.

Isso não é muito, e a maioria dos pais e mães querem isso, querem respeito e educação, um mundo mais inclusivo e bondoso, onde seu filho possa ser livre. Mas nem sempre é assim que as coisas acontecem, e muitas famílias das periferias acabam convivendo com outra realidade, a da fragilidade da existência.

Os filhos se tornam mais vulneráveis do que de costume, as crianças provavelmente não vão frequentar as melhores escolas e, em muitos casos, não conseguem terminar o ensino, já que vão precisar trabalhar desde cedo para ajudar a família.


As mulheres também são mais suscetíveis às violências, principalmente porque se encontram em dependência financeira e emocional de seus parceiros, fazendo com que não consigam, ou que seja mais difícil, sair do ciclo de agressões.

O humanitário Aaron Murphy tem a missão de ajudar pessoas completamente estranhas, usando seus contatos e seguidores nas redes sociais para arrecadar dinheiro e mudar completamente a vida de famílias inteiras. Recentemente, ele viajou para o Paraguai, onde conheceu Enrique e sua família, que viviam em condições tão precárias, que era impossível não sentir o coração se despedaçar com aquela história.

O pequeno Enrique, de 10 anos, mora com a mãe e seis irmãos em um depósito de lixo, mas nem sempre foi assim. A família tinha casa própria, mas o padrasto das crianças e companheiro da mãe na ocasião ateou fogo na residência, desabrigando todos. Tudo aconteceu após uma discussão. Nenhum membro da família ficou ferido, mas as oito pessoas ficaram sem teto.

Direitos autorais: reprodução TikTok/@murphslife.


Direitos autorais: reprodução TikTok/@murphslife.

A solução encontrada pela mãe foi morar em um barracão, no depósito de lixo da cidade, onde eles recolhem materiais recicláveis para conseguir comprar comida no fim do dia. No local não existe água potável nem estação de tratamento de água, isso faz com que as crianças fiquem constantemente doentes, mas ela não tem dinheiro para arcar com os custos médicos de todos.

Nenhuma pessoa merece viver nas condições de Enrique e sua família e, pensando exatamente nisso, Aaron decidiu intervir. Compartilhou a história daquela família e pediu ajuda a seus seguidores, que contribuíram com mais de R$ 155 mil.

O dinheiro foi usado integralmente para comprar uma adorável casa para todos, mas o ativista decidiu manter tudo em segredo para fazer surpresa na hora da revelação.


Aaron pediu nas redes sociais que voluntários o ajudassem na saga de montar uma casa maravilhosa para a família, e dezenas de pessoas aceitaram o convite. Em menos de 24 horas, eles compraram a casa, pintaram, montaram os móveis e ainda compraram muita comida, roupas e brinquedos, algo que as crianças nunca haviam ganhado.

Direitos autorais: reprodução TikTok/@murphslife.

Direitos autorais: reprodução TikTok/@murphslife.

Direitos autorais: reprodução TikTok/@murphslife.


A casa foi comprada em um bairro seguro e os vizinhos receberam todos com os braços abertos, mostrando que a comunidade é um lugar acessível e bom para se viver.

Agora Enrique e seus irmãos têm finalmente um bom lugar para viver, podendo se sentir abrigados e dignos novamente. Aaron e sua equipe ainda fizeram questão de matricular todas as crianças na escola, além de arrumar um emprego para a mãe. Assista a um pedaço desta linda história!


Idoso de 108 anos, que vivia nas ruas, é adotado por família. Não vai mais passar necessidades!

Artigo Anterior

“Pai, quero um emprego.” Para ajudar filho com síndrome de Down, família cria a própria empresa

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.