EnergiasEspiritualidadeMeditaçãoOração

A mensagem dos chacras: dançando com a luz

dancandocomaluz

Cara amiga consciência,
Pela graça de Deus, comunicamo-nos com você, pelas vias espirituais.
Habitamos em você há muito tempo. Acompanhamos sua trajetória há muitas vidas. Evoluímos com você! Giramos, brilhamos, pulsamos e amamos com você. 
Nós somos seus chacras*, seus companheiros energéticos. 
Convertemos as energias, de fora para dentro, de dentro para fora, e distribuímos a vitalidade em seus corpos.
Dançamos com a Luz em seu interior.
Somos pequenos sóis sob a ação de seus pensamentos e sentimentos.
Gostamos de vê-la feliz! 
Nosso brilho porta uma canção de Luz. 
Cantamos espiritualmente as bênçãos do Amor em nossos centros vitais. 
Somos as flores espirituais desabrochando nos jardins de suas vidas. 
Não se esqueça: cantamos e dançamos na Luz e só queremos vê-la feliz. 
Por favor, brilhe muito e agradeça a Deus por todas as oportunidades na Luz.

Wagner Borges – mestre de nada e discípulo de coisa alguma.

– Nota:
* Chacras – do sânscrito – são os centros de força situados no corpo energético e têm como função principal a absorção de energia – prana, chi -, do meio ambiente para o interior do campo energético e do corpo físico. Além disso, servem de ponte energética entre o corpo espiritual e o corpo físico.

Os principais chacras são sete – que estão conectados com as sete glândulas que compõem o sistema endócrino: coronário, frontal, laríngeo, cardíaco, umbilical, sexual e básico. Suas características básicas são as seguintes:

– Chacra Coronário – é o centro de força situado no topo da cabeça, por onde entram as energias celestes. É o chacra responsável pela expansão da consciência e pela captação das ideias elevadas. É também chamado de chacra da coroa. Em sânscrito o seu nome é “sahashara”, o lótus das mil pétalas. Está ligado à glândula pineal.
Obs.: A pineal é a glândula mais alta do sistema endócrino, situada bem no centro da cabeça, logo abaixo dos dois hemisférios cerebrais. Essa glândula está ligada ao chacra coronário, que, por sua vez, se abre no topo da cabeça, mas tem a sua raiz energética situada dentro dela. Devido a essa ligação sutil, a pineal – também chamada de “epífise” – é o ponto de ligação das energias superiores no corpo denso e, por extensão, tem muita importância nos fenômenos anímico-mediúnicos, incluindo nisso as projeções da consciência para fora do corpo físico.

– Chacra Frontal – é o centro de força situado na área da glabela, no espaço espiritual interno da testa. Está ligado à glândula hipófise – pituitária – e tem relação direta com os diversos fenômenos de clarividência, intuição e percepções parapsíquicas. É o chacra da aprendizagem e do conhecimento. Em sânscrito ele é conhecido como “Ajna”, o centro de comando.

– Chacra Laríngeo – é o centro de força situado em frente da garganta. É o responsável pela energização da boca, garganta e órgãos respiratórios. Está ligado à glândula tireóide. Bem desenvolvido, facilita a psicofonia e a clariaudiência. É considerado também como um filtro energético que bloqueia as energias emocionais, para que elas não cheguem até os chacras da cabeça. É o chacra responsável pela expressão criativa – comunicação – do ser humano no mundo. O seu nome em sânscrito é “Vishudda”, o purificador.

– Chacra Cardíaco – é o centro de força responsável pela energização do sistema cardiorrespiratório. É considerado o canal de movimentação dos sentimentos. Por isso é o chacra mais afetado pelo desequilíbrio emocional. Bem desenvolvido, torna-se um canal de amor para o trabalho de assistência espiritual. Está ligado à glândula timo. O seu nome em sânscrito é “Anahata”, o inviolável, o invicto, o som sutil do espírito imperecível.

– Chacra Umbilical – é o centro de força abdominal, responsável pela energização do sistema digestório. Está ligado à glândula pâncreas. É considerado o chacra das emoções inferiores. Quando está bloqueado, causa enjôo, medo ou irritação. Bem desenvolvido, facilita a percepção das energias ambientais. É chamado em sânscrito de “Manipura”, a cidade das jóias.

– Chacra Sexual – é o centro de força responsável pela energização dos órgãos sexuais. Está ligado às gônadas – glândulas de reprodução – testículos no homem; ovários na mulher. Quando está bloqueado, causa impotência sexual ou desânimo. Quando super-excitado, causa intenso desejo sexual. Bem desenvolvido, estimula o melhor funcionamento dos outros chacras e ajuda no despertar da kundalini. É o chacra da troca sexual e da alegria. O seu nome em sânscrito é “Swadhistana”, a morada do eu – ou morada do sol; ou a morada do prazer.

– Chacra Básico – é o centro de força situado na área da base da coluna. É o responsável pela absorção da energia telúrica e pelo estímulo direto da energia no corpo e na circulação do sangue. Está ligado às glândulas supra-renais e tem relação direta com os fenômenos bionergéticos e parapsíquicos oriundos da ativação da kundalini. O seu nome em sânscrito é “Muladhara”, a base e fundamento do corpo.

Obs.: Kundalini é um tema complexo para explicar por e-mail. O seu estudo envolve o conhecimento aprofundado dos chacras, dos nádis que correm ao longo da coluna – ida, pingala e sushumna -, e das glândulas endócrinas, bem como um conhecimento básico dos yantras e bijas-mantras específicos para sua ativação.


Kundalini – do sânscrito – significa literalmente “enroscada”. Esse nome deve-se ao seu movimento ondulatório que lembra o movimento de uma serpente. Daí a expressão esotérica “fogo serpentino”. Ela também é chamada pelos iogues de “Shakti” – do sânscrito – a força divina aninhada na base da coluna.
Kundalini nada tem a ver com o sexo diretamente, muito embora seja a energia que ativa e vitaliza a sexualidade. Devido à prática de exercícios tântricos que envolvem a contenção do orgasmo, quando esse conhecimento chegou ao Ocidente foi logo desvirtuado. Hoje, esse tema surge associado a rituais e posturas sexuais aqui no Ocidente. No entanto, o despertar da kundalini é um processo puramente espiritual e energético em essência. Envolve a ativação dos chacras, principalmente do chacra cardíaco, que equilibra e distribui corretamente o fluxo ascendente da shakti ao longo dos nádis. Não significa acender um foguete esotérico no traseiro e decolar pelos nádis ao longo da coluna, como muita gente imagina. “Acender” não significa necessariamente “ascender”.
Particularmente, não gosto do processo de despertar da kundalini que é feito por grupos esotéricos ocidentais. Prefiro o trabalho mais energético e naturalista do Yoga.
(Aqui não estão relacionados os chacras secundários, incluindo nisso o chacra esplênico, em cima do baço).

MÃE-LUZ

Minha mãe foi o anjo da minha vida terrestre.
Ensinou-me tudo de bom e me fez prometer que eu seria uma boa pessoa.
Vivíamos com dificuldades materiais, mas para mim e meus irmãos nunca faltou o mais essencial: o Amor incondicional que ela nos dedicava.
Porém, um dia a morte convocou-a aos reinos invisíveis… Ficamos, então, órfãos de sua presença física, mas não nos esquecemos de seus conselhos.
Quantas vezes, no meio de uma daquelas crises vivenciais que todos passam na experiência terrestre, eu não me lembrei do que ela me falava?: “Olha, menino, Deus não está no céu, está em seu coração. Faça o melhor que você puder”.
O tempo passou e eu também fui convocado pela morte aos reinos invisíveis.
Então, uma mudança maravilhosa aconteceu: o que era invisível tornou-se visível, e eu reencontrei minha mãe na “vida além da vida”.
Descobri (ou redescobri) com ela tantas coisas importantes:
– A gente não morre, só sai do corpo;
– Nós somos o que pensamos;
– Há vida em todas as coisas;
– A experiência é a grande mestra de todos.
Estou aprendendo coisas incríveis por aqui, mas o que faz o meu coração espiritual “dançar de alegria” é saber que coração de mãe dança com Amor sublime e nunca se esquece dos filhos, seja na Terra ou além dela.
Há muitos filhos chorando por aí, e há muitas mães trabalhando por aqui.
Espero que esses filhos leiam esses nossos textos e que seus corações dançem de alegria por saberem que suas mães vivem e amam no coração espiritual da vida além da vida.

– Marcos – Companhia do Amor – A Turma dos Poetas em Flor*.

– Nota:
* A Companhia do Amor é um grupo de cronistas, poetas e escritores brasileiros desencarnados que me passam textos e mensagens espirituais há vários anos. Em sua grande maioria, são poetas e muito bem humorados. Segundo eles, os seus escritos são para mostrar que os espíritos não são nuvenzinhas ou luzinhas piscando em um plano espiritual inefável.
Eles querem mostrar que continuam sendo pessoas comuns, apenas vivendo em outros planos, sem carregar o corpo denso. Querem que as pessoas encarnadas saibam que não existe apenas vida após a morte, mas, também, muita Alegria e Amor.
Os seus textos são simples e diretos, buscando o coração do leitor.
Para mais detalhes sobre o trabalho dessa turma maravilhosa, acesse esse link ver os livros “Companhia do Amor – A Turma dos Poetas em Flor – Volumes 1 e 2” – Edição independente – Wagner Borges -, e sua coluna no site do IPPB.
 

Confira as palestras gratuitas, os cursos e os eventos no IPPB clicando AQUI

Wagner Borges é pesquisador, 
conferencista e instrutor de cursos de Projeciologia 
e autor dos livros Viagem Espiritual 1, 2 e 3 entre outros. 
Visite seu Site e confira a entrevista.
Email: [email protected] – Via STUM

0 %