Comportamento

‘Meu filhinho deve ter sofrido muito’, diz pai do menino Henry

Sem Titulo 1 26

Mãe e padrastro do garoto, o vereador Dr. Jairinho, foram presos nesta quinta (8); segundo a polícia, criança sofreu sessões de tortura. ‘Desculpa o papai por não ter feito mais, lutado mais e protegido você muito mais’, disse Leniel.



“Esta infeliz matou meu filho. Meu filhinho deve ter sofrido muito”.

Essas foram as palavras do engenheiro Leniel Borel de Almeida, logo após a prisão a ex-mulher, Monique Medeiros, e do namorado dela, o vereador Dr. Jairinho (afastado do Solidariedade)

Em entrevista ao repórter Carlos De Lannoy, Leniel chegou a dizer que estava passando mal.


Durante a madrugada, antes mesmo de saber da prisão da ex-mulher e do marido dela, Leniel postou uma homenagem ao filho, no dia em que a morte dele completa 1 mês.

O pai de Henry pediu “desculpas” por não ter conseguido protegê-lo.

“30 dias desde que te dei o último abraço. Nunca vou esquecer de cada minuto do nosso último final de semana juntos. Deixar você bem, cheio de vida, com todos os sonhos e vontades de uma criança inocente. Desculpa o papai por não ter feito mais, lutado mais e protegido você muito mais. Confiamos que Deus fará sobressair a tua justiça como a luz, e o teu juízo como o meio-dia”, disse o pai em uma rede social.

leniel2

Direitos autorais: Reprodução / rede social


Resumo do caso Henry Borel:

  • Henry estava no apartamento onde a mãe morava com o vereador Dr. Jairinho, na Barra da Tijuca, e foi levado por eles ao hospital, onde chegou já sem vida na madrugada de 8 de março;
  • O casal alegou que o menino sofreu um acidente em casa e que estava “desacordado e com os olhos revirados e sem respirar” quando o encontraram no quarto;

  • Mas os laudos da necropsia de Henry e da reconstituição no apartamento do casal afastam essa hipótese;
  • O documento informa que a causa da morte foi hemorragia interna e laceração hepática [no fígado] causada por uma ação contundente [violenta].
  • A polícia diz que, semanas antes de ser morto, Henry foi torturado por Jairinho. Monique sabia;
  • Nesta quinta (8), Dr. Jairinho e Monique foram presos temporariamente, suspeitos de tentar atrapalhar as investigações;

  • A defesa ainda não se manifestou sobre a prisão. Jairinho e Monique não falaram ao serem detidos.

Polícia fala em chutes e golpes na cabeça

Segundo a polícia, o vereador Dr. Jairinho teria praticado pelo menos uma sessão de tortura contra o menino semanas antes da morte da criança. Ainda segundo as investigações, a mãe sabia de agressões, que incluíam chutes e golpes na cabeça. Jairinho teria se trancado no quarto para bater no menino.


Em 12 de fevereiro, Monique descobriu que Jairinho estava no apartamento, trancado no quarto, com o Henry. A polícia descobriu que ela estranhou que ele tivesse chegado cedo em casa.

O casal foi preso na manhã desta quinta-feira (8) por ter atrapalhado as investigações da morte da criança. Segundo a polícia, eles chegaram a fazer ameaças a testemunhas para combinar versões.

Quando foi preso, o casal estava na casa de parentes de Monique em Bangu, na Zona Oeste do Rio.

Embora o inquérito ainda não tenha sido concluído, a polícia acredita que Henry foi assassinado. Falta esclarecer como o crime foi cometido


Provas descartam hipótese de acidente

A polícia ouviu pelo menos 18 testemunhas e reuniu provas técnicas que descartam a hipótese de acidente — levantada pela própria mãe da criança em seu termo de declaração na delegacia.

Os policiais descobriram ainda que, após o início das investigações, o casal apagou conversas de seus telefones celulares. Suspeitam, inclusive, que eles tenham trocado de aparelho.

A perícia do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) usou um software israelense, o Cellebrite Premium, comprado pela Polícia Civil no último dia 31 de março, para recuperar o conteúdo.


Múltiplos hematomas

A primeira prova importante que chegou às mãos dos investigadores foi um laudo assinado pelo médico legista Leonardo Huber Tauil, feito após duas autópsias realizadas no cadáver da criança, nos dias 8 e 9 de março.

No documento, o perito do Instituto Médico Legal (IML) descreve que a criança sofreu “múltiplos hematomas no abdômen e nos membros superiores”, “infiltração hemorrágica” na parte frontal, lateral e posterior da cabeça, apontou “grande quantidade de sangue no abdômen”, “contusão no rim” e “trauma com contusão pulmonar”.

A causa da morte foi por “hemorragia interna e laceração hepática [danos no fígado] causada por uma ação contundente [violenta]”.


 

Aos 69 anos, Vera Fischer esbanja autoestima em ensaio exclusivo: ‘Me acho um mulherão’

Artigo Anterior

BBB21: Tiago Leifert chora ao citar saída de Lucas Penteado do programa

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.