ColunistasComportamentoReflexão

Meu jeito moderno te incomoda?

coca cola

Difícil imaginar qual a causa de, nos dias atuais, a mulher ter chegado tão longe, ter subido tão rápido em todos os setores da vida e isso, de certa forma, ter-nos causado vantagens e algumas desvantagens. Somos mulheres que podemos entrar onde queremos, quando queremos e como queremos.



Difícil? Não é difícil, não! Uma luta de séculos aconteceu para que nos dias de hoje possamos ser respeitadas como mulheres assim também como profissionais em todas as áreas e, inclusive, na área sentimental.

Antes, morríamos por servir nossos maridos e cuidar de nossos filhos. Era só o que nos bastava ou, o que podíamos fazer. Ler era uma afronta aos costumes masculinos e nós, galgamos degraus que homem algum imaginou que um dia conseguiríamos alcançar. Nos tornamos cada vez mais lindas, mas controladas financeiramente, mais seguras resultando em mulheres incríveis e poderosas!

Relacionamentos ruins, fracassos amorosos, nos negócios, facadas na autoestima, tudo contribuiu para que as mulheres de ontem se tornassem as deusas que conhecemos hoje. Resultado? Ganhamos o controle e perdemos os homens.


Sim, mesmo que você não concorde, os perdemos sim! Hoje, se vamos a um barzinho nem esperamos ele chamar o garçom, quando percebemos já estamos com mãos estendidas chamando o Alfredo (é, sempre sabemos o nome do garçom, assim ele sempre nos serve primeiro). Quando ele nos deixa em casa, muitos em sua timidez se perguntam: “será que eu deveria beijá-la agora? ” e antes mesmo que ele encontre as respostas nós já fomos lá e lhe tascamos um beijo! Sabemos o que queremos, eu repito.

E essa segurança inesperada fez com que os homens começassem a se perguntar “onde estão nossas princesas? ” e, assustados, observassem suas mulheres calçarem botinas e escalarem montanhas atrás de aventura e emoção! Então, por onde foram os homens que conhecemos? Os gladiadores, generais? Nós os perdemos. Perdemos no dia em que crescemos, perdemos no dia em que roubamos-lhes um beijo, no dia em que pagamos a conta e dirigimos o carro.

Alguns aceitaram, enfraquecendo-se diante de nós e se adaptando ao nosso novo jeito de ser. Crianças, passando roupas, casa pra arrumar, comida por fazer enquanto estamos no escritório. Outros, quase que a maioria, ficaram tão espantados que se afastaram e hoje, perambulam por aí, através de sua masculinidade primata buscando, quem sabe, ainda algum resquício de princesa.

Nosso jeito moderno nos afastou de grandes homens, como se fossem um território de leões onde apenas um lidera. Imagina só se uma das leoas ou todas resolvessem dominar? Com toda certeza, ou o leão se tornaria passivo ou fugiria do bando. Não há lugar para tanta testosterona!


Sim, metemos medo. Os tempos mudaram, nossos olhares e posturas também. Não somos mais a caça, somos as caçadoras e a ideia sequer longínqua de serem caçados não agrada a muitos homens o que, claro, faz com que se afastem de nós.

Daí uma dica caprichada para a mulher poderosa, mulher moderna interessada em um homem ao estilo “Neandertal” que aprecia presas, ser caçador a ser caçado: interprete. Seja frágil quando precisar ser, chore se preciso e peça ajuda. Ah, deixe que ele abra a porta do carro, chame o garçom e pague a conta!

O que pode acontecer depois disso tudo é você conquista-lo de vez, até que ele se acostume aos poucos com seu jeito de ser ou então, terá de se deparar com um homem que, com a desculpa de estar acostumado com nosso jeito, te pede para dividir a conta, não te abre a porta do carro e ainda pede pra você leva-lo em casa! É mole?


Quanto mais apertado o abraço, maior o alívio na gente…

Artigo Anterior

Anatomia do machismo…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.