Comportamento

“Meus pais disseram a todos que eu estava morta.” Mulher contou que foi entregue para adoção por ser negra

Quando era mais velha, a jovem compreendeu o motivo que levou os pais a fazerem isso. Entenda!



Sara-Jayne King é uma mulher como uma história de vida repleta de reviravoltas. Negra, ela nasceu na década de 1980, na África do Sul, e com apenas 7 semanas de idade foi enviada por seus pais, brancos, para o Reino Unido, por conta da cor da sua pele.

À BBC, ela contou que os pais não queriam enfrentar a realidade de ter uma filha com a cor da pele diferente deles. A jovem, que foi criada por uma família adotiva, também branca, nunca foi capaz de compreender totalmente ou aceitar o abandono, especialmente por parte da sua mãe.

No Reino Unido, ela cresceu em uma família de classe média, e muito nova começou a enfrentar as dificuldades de ser diferente. Convivendo com muitas pessoas brancas e sendo vista como “estranha” por elas durante muito tempo, ela passou a acreditar que ser negra era algo ruim, e estava sempre muito sozinha.


Direitos autorais: arquivo pessoal.

Quando tinha 14 anos, Sara-Jayne descobriu algo que mudou completamente a sua história. Enquanto bisbilhotava o quarto dos pais encontrou uma carta escrita por sua mãe após quase um ano do seu nascimento.

Na carta, a mulher falava que ela era fruto de um caso e que, para não criar problemas para toda a família, ela, o marido e o médico inventaram que Sara-Jayne tinha uma doença rara e precisava de um tratamento médico que só era feito em Londres, e acabou morrendo.

A descoberta causou grandes prejuízos emocionais à jovem, que até mesmo a levaram aos vícios. Ela ainda conseguiu contato com a mãe biológica, mas ela disse que não queria contato com Sara-Jayne.


Para tratar-se do vício, a mulher foi à África do Sul, pois descobriu que os tratamentos nos centros de reabilitação do país eram mais baratos. Acabou voltando ao Reino Unido, mas novamente se mudou para o seu país de origem, porque acreditava ser o seu lar.

Lá, ela conseguiu encontrar o pai biológico por meio de um anúncio de rádio, divulgando o livro que lançou para contar a história da sua vida. Após alguns dias conversando por telefone, eles finalmente se conheceram pessoalmente, em um momento de muita emoção.

Direitos autorais: arquivo pessoal.

Direitos autorais: arquivo pessoal.


Ela tem um bom relacionamento com o pai e, embora viva na Cidade do Cabo,sempre vai a Joanesburgo para ver seu pai e três meio-irmãos. Sara-Jayne ainda mantém um relacionamento com sua mãe adotiva no Reino Unido, mas está feliz vivendo na África, onde estão as suas origens.

Filho que abandonou os estudos para cuidar da mãe doente há 1 ano pede ajuda para tratamento

Artigo Anterior

Forçados a abandonar a filha recém-nascida, pais deixam carta e conseguem reencontrá-la após 20 anos

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.