Notícias

Monique Medeiros testa positivo para covid-19 e é isolada em hospital penitenciário

Não foram divulgados detalhes sobre seu estado de saúde, e após a confirmação do resultado, foi levada para o Hospital Penitenciário Hamilton Agostinho, onde ficará isolada.



A pandemia do novo coronavírus segue infectando um grande número de pessoas todos os dias, enquanto a maioria da população aguarda para receber sua dose do imunizante. Em alguns locais, como nos presídios brasileiros, estudos mostram que o nível de transmissão da covid-19 pode ser considerada grave, já que, até o momento, nenhuma medida foi eficaz.

Dados da Agência Pública mostram que duas a cada três prisões brasileiras registraram casos de covid-19 desde abril do ano passado, ou seja, pelo menos 877 unidades prisionais registraram contaminação do vírus.

Os casos de óbito e infecção preocupam tanto que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) chegou a pedir, em março de 2020, que as unidades provisórias fossem reavaliadas, considerando a necessidade de regime fechado para presos que fizessem parte do grupo de risco.


Nesta segunda-feira, dia 19, Monique Medeiros, mãe de Henry Borel, foi diagnosticada com covid-19, segundo informações da TV Globo. A professora pediu atendimento médico e foi levada ao Hospital Penitenciário Hamilton Agostinho, onde acabou sendo diagnosticada com coronavírus após exames.

Não foi divulgado o estado de saúde de Monique, mas sabe-se que ela ficará em isolamento no hospital. Presos desde abril deste ano por envolvimento na morte de Henry, Monique e seu companheiro, vereador Jairinho, seguem aguardando a conclusão do inquérito.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro afirma que já possui provas suficientes para a conclusão, mesmo sem o depoimento da mãe, que ainda está sendo debatido pelos novos advogados de defesa.

O delegado-chefe do Departamento de Polícia da Capital, Antenor Lopes, disse em entrevista que esta semana o inquérito deve ser fechado, e adiantou que não existem indícios de que Monique era agredida ou ameaçada por Jairinho, como a defesa vem sugerindo. De acordo com o oficial, a versão da mãe era para proteger o namorado, inclusive tendo pedido para a babá apagar as mensagens que indicavam que o filho havia sofrido agressões no dia 12.


A polícia ainda não decidiu se vai ouvir Monique de novo antes de concluir o inquérito, mas que até terça-feira, dia 20, o delegado Henrique Damasceno, titular da 16ª DP, saberá. Antenor ainda afirmou que a babá Thayná Ferreira foi claramente orientada a prestar depoimento falso, tendo sido manipulada a mentir pelo casal.

A polícia ofereceu uma nova chance para que a babá pudesse reparar seu depoimento, para que não fosse enquadrada em falso testemunho, sendo ouvida novamente. A defesa de Monique enviou uma nota na terça-feira enfatizando a importância de Monique ser ouvida pela polícia. Antenor finalizou perguntando a quem interessava o silêncio da mãe.

Caso Henry: Ana Carolina, mãe de Isabella Nardoni, manda mensagens de apoio a pai do menino

Artigo Anterior

Estudando com doações, coletor de lixo passa em 2º lugar para cursar Medicina

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.