Notícias

MP pede prisão de homens que furtaram comida vencida que ia para o lixo

Design sem nome 2021 10 29T093049.459

Em segunda instância, Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) pede a prisão de dois homens que furtaram comida vencida, que iria para o lixo, no pátio de um mercado, que fica cidade de Uruguaiana.



Segundo o boletim de ocorrência, os réus na ação foram presos pela polícia depois de entrarem em área restrita de um supermercado e fugir do lugar com os alimentos.

Foram apreendidas com eles aproximadamente 50 fatias de queijo, 14 unidades de calabresa, nove de presunto e cinco de bacon. Todos os produtos estavam no ambiente onde seriam triturados e descartados. Juntos, os produtos totalizam R$ 50,00.

Os dois homens ficaram calados durante depoimento e foram soltos depois da ocorrência. Depois, com a finalização do inquérito, eles foram indiciados pela Polícia Civil e denunciados pelo Ministério Público.


Em novembro de 2020, a Defensoria Pública do Estado, em resposta à acusação, disse: “É de se ter em vista o princípio da mínima intervenção, de onde emana que o Direito Penal deve tutelar apenas as condutas gravosas ao meio social, sem se preocupar com os denominados delitos de bagatela.

Logo, o Direito Penal deve, efetivamente, atuar como ‘ultima ratio’. Deverá intervir somente em casos relevantes e de real ofensa ao bem jurídico”, citou a defensora pública, Daniela Haselein Arend.

Em julho de 2021, o juiz André Atalla do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) acolheu a alegação da DPE/RS. Em sua decisão, ele absolveu os réus ao alegar que não havia “justa causa para a ação penal em face do princípio da insignificância”.

Na última segunda-feira, 25, o defensor público Marco Antonio Kaufmann, que agora está a frente da defesa dos réus, apresentou as contrarrazões da apelação feita pelo Ministério Público.


Vídeo mostra quando publicitária indiciada por injúria racial dá dois tapas em cantora, no DF

Artigo Anterior

Motorista de ônibus se espanta após viralizar em vídeo por ser gay

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.