Comportamento

Mulher desempregada se muda para os EUA e faz dinheiro catando piolhos. “É uma mina de ouro”

Foto: Instagram
Mulher desempregada se muda para os EUA e faz dinheiro catando piolhos É uma mina de ouro

A ocupação virou uma profissão altamente lucrativa para a latina. Confira!

Os piolhos são um incômodo garantido para qualquer pessoa, seja para as crianças, que geralmente pegam piolhos na escola, ou para os pais, responsáveis por limpar o cabelo dos filhos, removendo qualquer vestígio dos insetos.

O momento de “catar” piolhos é bastante incômodo e até desesperador para os responsáveis, que ficam com medo de os bichos pularem para sua cabeça, mas para uma mulher latina virou profissão, e altamente lucrativa por sinal.

Uma matéria do Telemundo contou a história de Eliana Ortega, uma equatoriana de 36 anos que transformou algo tão comum nas famílias em negócio.

Origens e sonho antigo

Eliana Ortega sempre desejou mudar de sua terra natal, Quito, capital do Equador, para os Estados Unidos, especialmente Nova York, sua cidade preferida. Por muito tempo, isso foi apenas um sonho adormecido, no entanto, um belo dia, a mãe solteira resolveu agir, juntou suas economias e comprou passagem apenas de ida para ela e a filha de 8 anos.

2 Mulher desempregada se muda para os EUA e faz dinheiro catando piolhos É uma mina de ouro

Direitos autorais: Reprodução Instagram/@elianaedith.us.

O começo não foi fácil, durante muitos meses teve que morar em um porão onde havia apenas uma cama e nem sequer uma cozinha. Sem saber falar inglês muito bem, Eliana chegou a ter três empregos ao mesmo tempo para poder cuidar da família. Ela já foi garçonete, faxineira, entregadora de pizzas, lavadora de pratos e distribuidora de panfletos.

Mas no inverno de 2015 apareceu uma oportunidade que mudou sua vida. Uma empresa de tratamento contra piolhos procurava funcionários por conta do surto que acontece com a volta às aulas. Eliana, que não sabia que isso era uma profissão, achou um pouco estranho, mas como o salário era bom, resolveu dar-se uma chance.

Com xampu e pente fino de metal, ela começou a visitar alguns dos apartamentos mais luxuosos de Manhattan e outras áreas de Nova York, que ele havia visto no cinema. Eliana ficou apenas dois meses naquele trabalho, e decidiu ter a própria empresa no mesmo ramo. Então foi para a Flórida fazer um curso e nunca mais parou de mexer com isso.

Fundação de sua própria empresa

Já experiente e estudada no assunto, Eliana abriu a empresa “Larger Than Lice”, que já livrou mais de 10 mil famílias nova-iorquinas dos insetos tão indesejados, entre as quais, pessoas importantes e famosas.

3 Mulher desempregada se muda para os EUA e faz dinheiro catando piolhos É uma mina de ouro

Direitos autorais: Arquivo pessoal.

Ela contou que já tirou piolhos da filha de um ex-presidente dos Estados Unidos e suas netas. Além dos clientes ricos, a equatoriana tem acordos com escolas de Nova York para trabalhar com crianças infectadas e suas famílias.

Em cidades como Nova York, o tratamento custa pelo menos US$ 800 por pessoa infectada, segundo a profissional. O valor equivale a R$ 4 mil. Em seu canal no YouTube, a empresária afirma que pode ganhar US$ 2.500 (mais de R$ 15 mil) em um dia apenas removendo piolhos.

4 Mulher desempregada se muda para os EUA e faz dinheiro catando piolhos É uma mina de ouro

Direitos autorais: Arquivo pessoal.

Ossos do ofício

Apesar de se mostrar um negócio lucrativo, Eliana encontrou dificuldade para manter um ciclo social por conta de sua profissão. Segundo ela, várias amizades e contatos acabaram depois de ela falar que trabalhava com piolhos.

Temendo rejeição, chegou a mascarar sua ocupação, mas depois de um tempo resolveu assumir a real fonte de seu sustento, abrindo mão de relações com pessoas que tinham preconceito quanto a isso.

5 Mulher desempregada se muda para os EUA e faz dinheiro catando piolhos É uma mina de ouro

Direitos autorais: Reprodução Instagram/@elianaedith.us.

Eliana contou ao Telemundo que também passou por episódios de xenofobia com clientes querendo que ela cobrasse menos ou não tivesse tempo de descanso apenas porque é de outro país, mas agora ela pode dar-se o luxo de escolher quem atender.

A empresária disse que ama os piolhos, eles são a sua vida, e confessou que até tem um desses insetos de pelúcia.

0 %