Comportamento

Mulher que gastou cerca de R$ 45 mil em tatuagens sofre preconceito: “Pensam que sou de gangue”

3 capa Mulher que gastou cerca de 45 mil em tatuagens sofre preconceito Pensam que sou de gangue

Ao mesmo tempo em que sofre preconceito de uma parcela da população, Eva explica que também passou a ser muito bem tratada por outras pessoas, tudo por conta das tatuagens.



De acordo com historiadores, estima-se que o hábito de desenhar no corpo seja tão antigo quanto a própria humanidade, mas como não é possível comprovar isso, já que é praticamente impossível encontrar tecido humano que tenha sido preservado por tanto tempo, a prática passou a ser reconhecida em meados de 1700, quando o navegador inglês James Cook chegou à Polinésia, numa expedição, e registrou em seu diário de bordo o costume do povo local.

Cerca de 100 anos depois, Charles Darwin fez uma declaração afirmando que nenhuma nação desconhecia a tatuagem, ou seja, a maioria dos povos do mundo tinha praticado ou ainda praticava maneiras diferentes de injetar pigmento sob a pele.

Com a invenção da máquina de tatuar elétrica, no fim do século XX, um hábito que era associado a presidiários e marinheiros acabou caindo no gosto dos jovens.


Na Costa Rica, a jovem de 27 anos, Eva Pearz, recentemente deu seu relato ao Daily Star, contando um pouco sobre o que passa por conta da quantidade de tatuagens no corpo. Mesmo tendo gasto mais de R$ 45 mil para cobrir grande parte da pele, sofre preconceito por uma parcela da população que ainda acredita que os desenhos são feitos apenas por membros de gangue ou detentos.

Além dessas suposições, Eva explica que também pensam que ela é viciada em drogas, mas afirma que não, que a arte tem mais a ver com “estratégia de marketing” do que com vícios ou mau comportamento. Declarando-se obcecada por tatuagens, ela explica que, ao mesmo tempo em que muitos a rejeitam ou fazem suposições por conta dos desenhos, outros se aproximam dela justamente por eles.

3 2 Mulher que gastou cerca de 45 mil em tatuagens sofre preconceito Pensam que sou de gangue

Direitos autorais: reprodução Instagram/@evapearz.

A jovem, que trabalha como modelo shibari, uma prática japonesa de arte com cordas em que o corpo é suspenso pelo uso de nós e amarras, tatuadora aprendiz e também em outras plataformas, explica que muito do que imaginam sobre sua vida tem mais relação com o que enxergam a partir dos desenhos na pele do que o que de fato ela é.


Com mais de 11 mil seguidores no Instagram, Eva conta que alguns acreditam que ela é rude e grosseira, ou que ouve apenas black metal. Para outros, ela é casada com um tatuador ou simplesmente ganhou os desenhos em algum sorteio online muito famoso com o uso das redes sociais, mas a jovem revela que precisou trabalhar muito e abrir mão de muita coisa durante a última década para conseguir, de fato, sustentar seu estilo de vida atual.

3 3 Mulher que gastou cerca de 45 mil em tatuagens sofre preconceito Pensam que sou de gangue

Direitos autorais: reprodução Instagram/@evapearz.

Eva fez sua primeira tatuagem assim que completou 18 anos, escrevendo a palavra “liberdade” na nuca, que representa a libertação de todas as suas limitações do passado. Junto com a palavra, a jovem também tem cinco pássaros voando, que significam “Lei divina superior”.

Tudo isso significa que a liberdade só é alcançada quando o indivíduo consegue se alinhar com a “Lei divina superior”, que nada mais é do que todas as leis impostas aos humanos por deuses ou divindades. Sentindo completo amor pela arte corporal, ela percebeu que queria fazer grandes tatuagens no corpo, já que cada sessão representa um ritual diferente de expressões e descobertas.


Os desenhos são baseados em estilos diferentes e, há cerca de um ano e meio, Chalana, tatuador conhecido na região, foi quem assumiu as obras. Mesmo já tendo ultrapassado R$ 45 mil em investimentos com as tatuagens, ela não tem planos de parar, pois pretende ficar completamente coberta, com exceção do seu rosto.

3 4 Mulher que gastou cerca de 45 mil em tatuagens sofre preconceito Pensam que sou de gangue

Direitos autorais: reprodução Instagram/@evapearz.

Mesmo sofrendo preconceito de parte da sociedade, Eva diz que outras pessoas se sentem atraídas pelas tatuagens, como se a tinta na pele fornecesse algo em especial. Ela revela que até pessoas que nunca demonstraram interesse em ocasiões anteriores, hoje já se comportam de maneira muito mais amigável.


As pessoas inteligentes mantêm distância destes 3 signos!

Artigo Anterior

Passarinho visita todas as tardes a família que o ajudou quando ele era filhote

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.