Comportamento

Mulher se apaixona por namorado virtual, é sequestrada e passa 8 meses em poder dele

Ruth acredita que, se não tivesse conseguido fugir, teria acabado em um “saco para cadáveres”, de acordo com seu depoimento prestado à polícia.



As redes sociais e os sites de encontro foram criados para que pessoas com afinidades, mas que poderiam nunca se cruzar nas ruas, possam se conhecer. Mas ao mesmo tempo em que essas plataformas conectam indivíduos que desejam ter um relacionamento, elas também podem fazer com que agressores, suspeitos de crimes violentos e até psicopatas se passem por pessoas normais.

Sem conhecer o passado de alguém e como é no dia a dia, a internet pode encobrir o lado violento de muitas pessoas. Como saber se aquele homem com quem você mantém um diálogo há meses é realmente quem ele diz ser?

Como saber se ele realmente trabalha onde diz? Infelizmente, não é sempre que essas dúvidas conseguem ser elucidadas, principalmente quando o suspeito é capaz de fraudar informações e até fotografias.


Para a escritora de 61 anos, Ruth Tunnicliffe, de Leeds, na Inglaterra, se apaixonar por Peter McMahon não foi nada difícil. Ela estava em processo de separação de seu ex-marido, no final de 2010, quando aquele homem apareceu prometendo uma vida completamente nova, algo tentador para o momento que ela passava.

Mãe de três, Ruth explica ao Daily Star que Peter começou a persegui-la por meio do Facebook e lhe mandava dezenas de mensagens, as quais ficavam sem respostas. Mas a escritora decidiu ceder, e as conversas acabaram se transformando em promessas, já que o homem tinha o hábito de tentar criar conexão com suas vítimas pelo compromisso que assumia com elas, mesmo que nunca fosse cumpri-los

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

E foi assim que tudo começou, uma promessa de contrato de modelo para a filha, troca de números e bate-papo todos os dias, até que Peter a convenceu a ir a Nashville, nos Estados Unidos, visitá-lo, e Ruth comprou passagens de ida e volta em fevereiro de 2011. O primeiro contato dos dois foi no aeroporto, e os primeiros dias foram românticos e incríveis.


Ao contrário do que muitos imaginam, agressores não costumam agir de maneira violenta o tempo todo, normalmente as vítimas de violência doméstica relatam um início de relacionamento totalmente diferente, sem sequer imaginar que os companheiros poderiam ser criminosos.

Peter era um homem popular pois, como ela conta, ele era cumprimentado em todos os lugares. Ele fazia questão de apresentar Ruth como sua noiva, sendo charmoso e a convencendo de que deveriam abrir um negócio juntos, que provavelmente teria muito sucesso.

Ruth começou a achar estranho quando eles começaram a viajar pelos Estados Unidos, sempre dormindo em hotéis, sem nunca ser convidada a ir à casa de Peter. Um dia antes de seu retorno para a Inglaterra, seu passaporte sumiu misteriosamente, o que significava que estava presa na América do Norte.

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.


Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

Mas como os dois ainda estavam na fase chamada “lua de mel”, passaram cerca de dois ou três meses se divertindo, vivendo apenas com o cartão de crédito de Ruth. Assim que começou a ficar sem dinheiro, ela começou a notar que algo estava mudando no comportamento de Peter, ele estava se tornando cada vez mais violento, e ela sentia que não podia falar absolutamente nada sobre o assunto.

A sensação de urgência começou a tomar conta quando o relacionamento dos dois se deteriorou rapidamente, mas o sumiço do passaporte e a forma como estava sendo tratada remetiam a um sequestro e cárcere.


Caso Ruth se atrevesse a fazer qualquer tipo de pergunta, ele imediatamente a enforcava, mostrando que não tinha nada em seu comportamento que lembrasse o que tinham vivido algumas semanas antes.

Sem o passaporte e sendo constantemente ameaçada, a falta de dinheiro foi deixando a situação ainda mais brutal, já que a dependência de Ruth foi se tornando cada vez mais evidente.

O casal precisou trabalhar em um bar para sobreviver, mas não recebiam salário algum, já que Peter propôs ao dono do estabelecimento que as despesas do casal fossem pagas com o dinheiro do seu trabalho.

Quase sem dinheiro algum, eles precisavam dormir dentro do carro na maioria das noites. Mas Ruth encontrou seu passaporte, que estava escondido, e decidiu planejar a fuga o mais rapidamente possível. Como eles tinham o carro, ela planejou estacioná-lo a umas duas quadras de distância do bar onde trabalhavam, assim poderia inventar que tinha esquecido algo no automóvel.


Felizmente, seu plano deu certo. Mais tarde, naquele mesmo dia, ela mentiu que tinha esquecido algo importante no carro, correu até ele, pegou uma pequena caixa com seus pertences, que tinha escondido, e disparou até a delegacia mais próxima. Assim que passou pela porta circular, ela revela que desabou no chão, sabendo que tudo ia acabar.

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

Um oficial se encarregou de ouvir toda a história de Ruth, e afirmou que, caso não o tivesse deixado, provavelmente só conseguiria fazer isso em um “saco para cadáveres”. Ela conseguiu voltar ao Reino Unido. Assim que chegou Peter tentou entrar em contato com ela algumas vezes, e disse que jamais devolveria o dinheiro que gastou com seu cartão de crédito.

Ruth ficou com uma dívida de mais de R$ 200 mil, e explica que Peter a escolheu justamente porque sabia o quão vulnerável era. Tinha acabado de se divorciar, era mãe e, provavelmente, estava “por baixo”. Mesmo que sinta que exista um “custo emocional alto em tudo isso”, ela acredita que sua história precisa ser contada.


Escreveu uma trilogia de suas memórias, cuja primeira edição será lançada em breve, com o título “To love, honor & betray” (“Para amar, honrar e trair”, em tradução livre). Ruth, que hoje é casada, ainda está avaliando quais nomes dará aos outros dois livros. O paradeiro de Peter McMahon permanece desconhecido.

Os 5 signos mais fáceis de enganar!

Artigo Anterior

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.