Relacionamentos

“Mulheres devem ‘se submeter e se render’ aos homens para serem felizes”, diz “guru de relacionamentos”

Foto; Instagram / @alisa.abdullaeva.ayurveda
capafacebook Mulheres devem se submeter e se render aos homens para serem felizes diz guru de relacionamentos

Em declarações polêmicas, a guru acendeu um debate em sua rede social. Confira!

O papel das mulheres nos relacionamentos românticos mudou muito nos últimos anos. De uma posição muitas vezes submissa, hoje elas são cada vez mais donas de si e desapegadas da ideia de que um bom casamento é a única maneira de serem bem-sucedidas.

Não é preciso olhar longe para encontrar mulheres que colocam o sucesso pessoal e profissional acima da necessidade de ter um homem ao seu lado, de constituir família. Aprenderam a se impor e considerar suas necessidades e desejos tão importantes e valiosos quanto os dos parceiros.

Mesmo nossa sociedade estando “evoluída” nesse sentido, existem pessoas que defendem um comportamento mais tradicional, e compartilham sua concepção sem temer julgamentos. Esse é o caso de Alisa Abdullaeva, a autointitulada “guru de relacionamentos” de Atlanta, nos Estados Unidos. No TikTok, ela compartilhou seu ponto de vista controverso sobre o comportamento das mulheres nos relacionamentos românticos, enfatizando que precisam admitir que os homens são seus superiores.

[A maioria das mulheres] quer se casar com um homem que é provedor e protetor”, declarou Abdullaeva, acumulando mais de 900 mil visualizações. “A chave para encontrar um homem que seja provedor e protetor é aprender a respeitar a autoridade (…) Se vivemos em uma sociedade onde nos sentimos iguais, os homens nunca sentirão o desejo de proteger e sustentar as mulheres”, ainda declarou.

2 Mulheres devem se submeter e se render aos homens para serem felizes diz guru de relacionamentos

Foto: Instagram / @alisa.abdullaeva.ayurveda

Continuando seu raciocínio, ela também disse aos internautas que o certo é existir uma hierarquia social em que os homens estão acima das mulheres, dizendo que em sua mente “primeiro vem Deus, depois os gurus, depois os homens, depois as mulheres e depois os gatos, cães e crianças”.

Finalizando a polêmica reflexão, ela alegou que “toda mulher é emocional e incontrolável com suas emoções” e que muitas vezes querem que o relacionamento atenda às suas vontades, sem pensar no companheiro.

Como já era esperado, o vídeo viralizou e deu muito o que falar. Várias mulheres da atual geração, que aprenderam a ser independentes, disseram que jamais aceitariam um papel inferior num relacionamento. Algumas ainda consideraram seus conselhos “horríveis” e “absurdos”.

Prefiro ficar solteira, obrigada”, comentou uma telespectadora. “Também discordo”, acrescentou outra. “Muitos homens desejam uma mulher forte, independente e confiante. Muitos homens são atraídos por isso.

Abdullaeva, no entanto, recusou-se a ceder, e respondeu a um crítico: “Somente homens inseguros procuram mulheres confiantes e independentes”.

Apesar das críticas, vários internautas parecem ter se identificado com a mensagem da “guru”, e a elogiaram. “Mulher inteligente relatando fatos”, entusiasmou-se um homem. Outro também concordou: “Verdade! Estou disposto a atender a todas as necessidades da minha [futura] esposa, mas ela precisa entender a hierarquia que você explicou”.

Outro internauta se mostrou indignado com os padrões atuais de namoro. “Uma mulher me disse que éramos iguais no primeiro encontro, depois ela ficou brava quando lhe pedi para dividir a conta. Ei, somos iguais, certo?”, comentou.

3 Mulheres devem se submeter e se render aos homens para serem felizes diz guru de relacionamentos

Foto: Instagram / @alisa.abdullaeva.ayurveda

Abdullaeva, que é casada e se considera feliz na relação, admitiu que seu conselho foi “confrontador”, mas relatou não se arrepender da abordagem. Em outros vídeos, ela também polemizou, em um deles, afirmou que um homem não respeitará uma mulher que faz sexo antes do noivado.

Anteriormente, ela também criticou o feminismo moderno, alegando que ele traz “dor, estresse, solidão, justiça e a ilusão de que os homens são o inimigo”.