ColunistasReflexão

Nada podemos fazer, se as portas do nosso coração estiverem fechadas

Nada podemos fazer

Um dia alguém me disse que seu mar estava turbulento devido aos ventos da inconstância e medo que sopravam o deixava revolto e sem estabilidade.



Os ventos que sopravam eram gelados e com toda essa pressão que vinha tão forte o deixava completamente sem saber o que fazer… e daí me deu a opção de manter distância do seu mar, pois ele estava frio como o vento que soprava no momento.

Fiquei atordoada pois eu estava com minha caravela pequena, mas forte, e tão forte que poderia, se fosse permitido, encontrar um meio de ser flexível e o acompanhar até passar esses momentos.

Ao mesmo tempo que me mantinha afastada, queria momentos breves de aconchego.


Isso não me completava pois sou profunda e por sentir sua alma, sabia que era profundo e doce, mas sua determinação em manter frio seu coração me machucava, porém… esses momentos eram pedidos por mim, não por ele! Nunca me mostrou que queria estar comigo.

Realmente depois de meses de tentativas de uma aproximação, eu nada consegui e fui lentamente me afastando de sua turbulência. Quando segura e mais ao longe percebi que realmente não estava respeitando o momento dele.

Hoje eu aprendi que nada se pode fazer se as portas do coração estão fechadas e agradeço por ter passado em minha vida, pois entendo que somos reflexo daqueles que encontramos e aceitei todas esses bloqueios mostrados através de dele para me curar.

A cura aconteceu em acreditar no outro, curei minhas inseguranças de que mereço o melhor e aceitar o que vem como dádiva; não esperar nada do outro e somente me dedicar ao amor puro e verdadeiro que liberta cada vez mais.


Permaneço hoje no presente e no momento que estou, analiso movimentos e penso mais para falar, aprendi que palavras são energias que estamos soltando, e quando pensamos, podemos escolher quais vamos enviar em direção ao nosso próximo. Desta forma, voltará para nós somente energias de puro amor, pois o que mandamos volta, fato!

Mares revoltos devido a inconstância do vento, ou seja, circunstâncias externas precisam ser amadas, pois ainda não entendem que nada de fora abala a profundidade do SER.





Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: gorosi / 123RF Imagens


A receita para a frustração: insistir quando não há reciprocidade

Artigo Anterior

Amor com liberdade: relacionamento precisa ser leve

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.