publicidade

Não deixe – uma crônica sobre como você colabora com sua infelicidade

Seu velho vício. Caminha visivelmente e passa por você como se não enxergasse nada. Como se você fosse o tal fantasma enquanto ele assombra. Você sabe que faz mal e deixa, vai deixando, vai varrendo pra baixo do tapete até que começa a incomodar. Incomoda tanto que de bola de neve à avalanche, vira uma corda no pescoço. No seu, é claro. Você sufoca, pensa em como escapar e espera pelo chute de misericórdia na cadeira: não aguenta mais sofrer, espera pela morte daquele amor todo que virou fardo. E deixa, vai deixando, sem perceber que a parcela ativa da culpa não é só do outro. Você deixou que fosse assim.



Digo porque é mais fácil se desfazer da culpa e venerar um papel de vítima. Digo isso porque é fácil constatar que os seus amigos têm as piores versões do outro – um sanguessuga imoral que rouba a sua vida enquanto você padece na incapacidade de se desvencilhar, justificada pela dependência sentimental dele. Você não depende dele, e nem depende dessa coisa machucada que foi se tornando o monstro escondido no armário. Isso só existe porque você, como bem lembro no início do texto, porque você deixou. A permissão é importante nesses casos. Ninguém faz mal à gente sem permissão pra entrar em casa, não no nível sentimental.

Não deixe, mas também não se prive. Não se esconda e nem evite construir relações futuras por causa de uma única pessoa. O ato de privação aqui pedido é para com o outro. É tão fácil perceber quando o outro se torna âncora em vez de leme. Tão fácil ver numa balança que a parte ruim é maior que a parte boa (se é que essa existe) e você ainda permite que ele avance e fique ali. Deixe-me contar uma coisa: pessoas nocivas são parasitárias. Se alimentam da gente quando a gente não tem cuidado. Quando a gente se presta a aceitar um amor que não existe só pra tentar calar a solidão com mordaça frouxa. Quando a gente não percebe que a balança ficou desfavorável, ainda que não entendamos nada sobre o signo de libra. Quando as coisas desandam e a gente tenta argumentar com o espelho, tentando desesperadamente justificar o porquê de permitirmos que o outro fique quando tudo – e até mesmo o sentimento que ele nos causa – indica que o melhor e mais saudável é deixá-lo ir. Amor, repito, não é base única de nenhuma relação. E amor, quando usado pra mal, faz com que a gente entre em desvantagem. Numa desvantagem única que não alerta contra possíveis pessoas maliciosas que vão usar desse amor pra ter algum abrigo e alimentação num ciclo parasitário.

No fundo você não precisa nem olhar bem fundo pra ver que te faz mal. Que é uma daquelas relações que só existem porque “você deixa”. Uma daquelas coisas estáticas que não se justifica mais e encontra apoio frouxo e desesperado na primeira justificava pescada do fundo do mar. Você deixa que alguém faça mal a você e que te estacione e ainda se pergunta por que sofre e é infeliz? Longe de tentar jogar a culpa toda em cima de você, afinal de contas, a gente sempre espera que o outro seja honesto e corresponda da melhor forma possível tudo o que a gente deposita sobre ele. Mas, em casos como esse, você colabora pra uma vida mais ordinária. No caso, é a sua vida. A vida de alguém que deveria estar vivendo uma daquelas aventuras sentimentais fantásticas que faz o barco tremer e dá uns sustos, mas não o põe à deriva e anuncia naufrágio sem se preocupar com a tripulação.

 


___

Escrito por Daniel Bovolento – Via Entre Todas as Coisas


Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.