5min. de leitura

Não estou feliz no meu trabalho, e agora?

“A única maneira de fazer um excelente trabalho é amar o que você faz. Se você ainda não encontrou, continue procurando” – Steve Jobs

Há poucos dias, entre vários contatos com clientes e pessoas que me seguem, recebi um e-mail falando sobre a insatisfação que a pessoa tinha no seu trabalho, e pedindo algum conselho. Gostaria de compartilhar com você minha resposta, pois pode ser que lhe seja útil:


Olá, Maura! (nome fictício)

Obrigado por sua confiança e carinho e espero poder ajudar você.

Com certeza todos nós passamos por momentos bons e ruins ao longo da vida, tanto na vida pessoal como na profissional, e sei muito bem como é difícil aceitar e lidar com os momentos difíceis. Mas o fato é que, além de fazerem parte da vida de todos seres humanos, eles têm por trás um MOTIVO, uma LIÇÃO e uma UTILIDADE.


Pelo que entendi, você vive bem, mas está fazendo algo que não gosta e não a deixa feliz. Se for isso, é preciso ver que seu TRABALHO e todos os trabalhos dão trabalho; às vezes, muito trabalho. Lembre-se de que a palavra NEGÓCIO vem de “negação do ócio”, ou seja, esforço.

Mas a questão é maior do que o esforço e o estresse que o trabalho dá.


A questão é que você tem 3 caminhos a escolher:

  1. CONTINUAR infeliz fazendo o que faz;
  2. CONTINUAR fazendo o que faz, mas MUDANDO O PORQUE FAZ E COMO FAZ (COM UM SIGNIFICADO E VALOR diferente);
  3. MUDAR para outro trabalho que possa ser mais feliz.

A primeira opção é continuar infeliz, mas vai ser uma opção longa e triste. Claro que com isto você pode se tornar uma pessoa medíocre e infeliz, ou com o tempo a dor vai levá-la a uma das outras duas alternativas, depois de um tempo menor ou maior.


Na segunda opção você permanece no emprego, nem que seja durante o tempo de preparação para seguir para a terceira opção, mas vai mudar a sua forma de perceber e viver o trabalho. Precisará passar a “perceber o valor do que faz” e para “quem este valor é importante”, para que assim possa sentir que seu esforço tem valor e utilidade. Desta forma verá que seu trabalho se torna significativo e você fica mais feliz e produtiva.

Mesmo que você pense em ir para a terceira opção diretamente, aconselho a mudar a forma de perceber o seu trabalho, para evitar que você venha a repetir o mesmo processo no próximo emprego. Digo isso porque as pessoas repetem e repetem enquanto não aprenderem algumas lições e fizerem algumas mudanças necessárias em si mesmas.

Reflita sobre isto e responda:

– O que preciso aprender neste trabalho? O que este trabalho atual está me incomodando, ensinando, transformando? Que lições eu preciso aprender aqui?

– O que preciso mudar em mim mesma?

– Como vou fazer para criar estas mudanças positivas em mim e na minha vida?

 A terceira opção pode ser interessante nos casos que você realmente não está feliz por não ter nada a ver com seus talentos, necessidades e objetivos. Também é necessária nos casos em que estamos trabalhando em uma empresa que não valoriza seus profissionais, um chefe que é insuportável ou onde não exista possibilidades de crescimento.

Neste caso, aconselho que antes de sair, faça os questionamentos apresentados na segunda opção pois é um importante passo para sua mudança pessoal e profissional, que evitará repetir padrões negativos. Depois, além de manter sua mente positiva, faça suas orações no sentido de que Deus traga um novo e “melhor” trabalho, e faça a sua parte no sentido de ficar atento às novas possibilidades, mantendo contato com outras pessoas e empresas, assim como aberto a outras possibilidades de trabalho e atividades, até que possa apresentar sua carta de demissão.

Antes disso, faça o “seu melhor” na empresa em que se encontra, mantendo as melhores relações e entregando o melhor trabalho possível, pois enquanto está empregado é justo e importante dar o seu melhor onde está. 

Abraços e fico a disposição para ajudar.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: dotshock / 123RF Imagens





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.