4min. de leitura

Não faz sentido amar com o freio de mão puxado

Amar requer espontaneidade, porque se for para ficar o tempo todo com freio de mão puxado é melhor optar pela solidão.

O amor é aquele investimento que fazemos sem nenhuma garantia. É isso, quando iniciamos um relacionamento, não fazemos ideia do desfecho que ele terá. Não há a certeza de que teremos um final feliz, bem como não há a garantia de que não sairemos destroçados emocionalmente dele.


Para se vincular a alguém, é necessário, além do interesse, muita coragem! É preciso deixar de lado o receio de ter o seu sagrado pisoteado; é fundamental se doar sem reservas porque não faz sentido ficar dosando aquele amor que sentimos e que sentimos urgência em demonstrar.

Amar requer espontaneidade, porque se for para ficar o tempo todo com freio de mão puxado é melhor optar pela solidão.

Sim, tudo bem, concordo que a prudência faz parte desse contexto, mas ela não pode ser aquele fantasma que espanta o encanto da relação o tempo inteiro.


Se optou pelo vínculo com uma pessoa, viva com entrega e sinceridade esse sentimento. Dê vazão ao que sente, demonstre o seu encanto, não economize afeto, não regule carinho, aproveite ao máximo a sintonia que brota e cresce a cada contato do casal.

Esqueça a paranoia do que pode dar errado, sabe por quê? É que se acabar, independente das circunstâncias, você terá a consciência de ter dado o seu melhor. Você não vai carregar consigo aquele sentimento de ter sido negligente.

É preciso muita coragem para se doar, levando em conta a possibilidade de que aquela relação pode ter um fim bem diferente do que desejamos. Mas, é exatamente pela incerteza do futuro que devemos amar sem reservas, penso eu.


Sabe de uma coisa? Você não vai desperdiçar amor, caso o oferte e não tenha o retorno merecido. Se o outro não apreciou, não soube ou não pode retribuir, o problema será dele, você estará exercendo a sua capacidade de amar com plenitude.

Diante de tudo isso, digo: é permitido dizer ao outro o quanto se sente apaixonado(a), o quanto o admira, o quanto sente atração, o quanto se sente feliz ao lado dele(a).

Demonstre tudo o que sente, se não der certo, a sua capacidade de amar não será comprometida, ela é autorrenovável.

Permita-se sentir e demonstrar encanto pelo sorriso do seu amor. Delicie-se no cheiro da pele de da respiração dele(a); derreta-se dentro do abraço dele(a), chore de emoção se for o caso, faça tudo o que vier à cabeça, deixe o coração ditar as regras, ao menos de vez em quando. Viva esse amor com inteireza, pouco importa se ele vai durar um dia, uma semana, um mês, um ano, uma década ou uma vida. Digo mais a você:

O amor que não é demonstrado não serve para nada, em contrapartida, um amor vivido com intensidade fica registrado nas páginas da nossa existência…é para você ter o que contar um dia aos seus descendentes.


Direitos autorais da imagem de capa: Niki Sanders on Unsplash





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.