Comportamento

“Não gosto de brincar com meus filhos”: mulher fala sobre respeitar seus limites maternos

Cansada de sentir o peso da cobrança materna, Jehava decidiu se respeitar como mãe e hoje pede que todas as mulheres se orgulhem de quem são!



A culpa materna é um sentimento que assombra mães do mundo inteiro. Pressionadas a serem a melhor versão de si mesmas, em que todos os acontecimentos confluem para a perfeição, milhões de mulheres se sentem constantemente frustradas quando percebem que as coisas não funcionam exatamente dessa forma.

Ao dar uma conferida nas redes sociais de famosas que acabaram de se tornar mães, muitas se sentem ainda mais desesperadas. A barriga tanquinho com 40 dias pós-parto, a que cozinha pratos saudáveis e elaborados, a que corre com o cachorro e os outros filhos mais velhos, tudo regado a fotos perfeitas e mães maravilhosamente bem vestidas.

Com esse bombardeio de referências, quando aquela mulher que acabou de ter um filho se olha no espelho ou reflete sobre sua vida, acaba se sentindo ainda mais pressionada e decepcionada por não atingir essa perfeição materna. Mas a verdade é que todas as puérperas estão sentindo exatamente a mesma coisa!


A blogueira Jehava não se importa em dizer aos quatro cantos que simplesmente não gosta de brincar com seus filhos!

Pode parecer algo difícil de escutar uma mãe dizer, porque realmente ninguém ousa falar disso abertamente, mas ela não liga para o que os outros pensam.

Em um forte relato que publicou no site Love What Matters, ela fala sobre a exaustão que sentia toda vez que tentava se encaixar no papel de “mãe perfeita”.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@onlygirl4boyz.


Fazer todas as refeições, manter a disciplina, realizar trabalhos manuais, fazer incríveis festas de aniversário para as crianças, o desfralde infantil, amamentação, leitura diária, brincar e exercitar a imaginação, entre outros infinitos itens disponíveis para enlouquecer qualquer família. Jehava tentou durante anos acompanhar isso tudo, amando quando todos acreditavam que ela tinha tudo sob controle.

No início, passava grande parte de seu tempo lendo livros sobre maternidade para ter certeza de que tudo estava sendo feito da melhor maneira possível. Conforme o tempo passou, e ela teve mais filhos, conseguiu perceber que não existe fórmula mágica para criar crianças. Não é tudo que funciona e, infelizmente (ou felizmente), não existe uma lista disponível que você possa checar quando acontecer algum problema.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@onlygirl4boyz.

Jehava aprendeu então a reconhecer aquilo que executava bem, deixando o resto de lado.


Seu principal objetivo é aproveitar a infância de seus filhos e não viver constantemente exausta em busca de uma perfeição que não existe. Ela prefere abraçar quem é, mantendo suas forças e fraquezas lado a lado.

E a grande verdade disso tudo é que ela descobriu que não gosta de brincar com seus filhos! Ela gosta de estar com eles, gosta de suas personalidades incríveis, de passar tempo com eles, conversar, viajar e fazer atividades, mas não de brincar. Ela detesta sentar no chão e brincar com carros, legos ou qualquer outro tipo de jogo. Hoje ela aceitou que não é esse tipo de mãe, e nem precisa ser.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@onlygirl4boyz.

Em alguns momentos, claro, ela entra na brincadeira das crianças, mas acha exaustivo, e está tudo bem. Jehava reconhece que existem coisas na maternidade que lhe causam mais estresse do que outras, e aprendeu a reconhecer o que sabe fazer melhor, sem tentar constantemente se transformar em algo que não é.


Ela adora criar receitas e cozinhar para a família. Gosta de manter conversas profundas com seus filhos, de assistir a filmes e programas, e rir. É muito boa em cozinhar e em manter um ambiente seguro em seu lar. Sabe que seus filhos sentem segurança com sua presença materna e que sabem que podem ser vulneráveis na sua presença. É boa em fazer com que se sintam amados, só não gosta de brincar.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@onlygirl4boyz.

Jehava acredita que parte do envelhecimento seja você passar a se importar menos com o que os outros pensam e se sentir mais confortável na própria pele, aceitando quem você é de fato. Ela encoraja todas as mães a se orgulharem de tudo o que sabem que são boas, deixando o resto ir. Por fim, diz que você é exatamente do que seu filho precisa!

Que linda reflexão!


Comente abaixo e compartilhe-a nas suas redes sociais!

Policial aposentado recebe doação de rim de sua ex-parceira: “Honrada em lhe dar o presente da vida”

Artigo Anterior

“Nunca tinha visto as estrelas”: graças à terapia genética, menino de 8 anos recupera visão e realiza sonho

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.