Reflexão

Não há maldade mais cruel do que pessoas disfarçadas do bem

capanao ha maldade mais cruel do que pessoas disfarcadas do bem
Comente!

Essas pessoas, que estão a todo momento fingindo ser o que não são, causam grandes prejuízos a quem as rodeia.

“A face do mal não é a face de ninguém”, escreveu Roy Baumeister em seu livro ”Evil: inside human violence and cruelty”, conforme contado em um artigo do Psychologic Today. Essa afirmativa nos dá muito o que pensar.
Para justificar esse padrão de pensamento, Baumeister explicou que o mal é uma questão de ponto de vista e que sempre se refere a “uma imagem falsa que se impõe ou se projeta no oponente”.

Partindo desse princípio, podemos considerar que muitas das atitudes negativas de quem conhecemos só são interpretadas dessa maneira porque estamos no lado oposto ao delas e que a sua personalidade negativa pode ser fruto das nossas projeções.

Você concorda com esse ponto de vista? Essa é uma questão muito subjetiva, mas ainda que a frase de Baumeister possa ser justificada em determinadas ocasiões, a realidade é que em nosso dia a dia nos deparamos com pessoas maldosas, dispostas a tudo para conseguir seus intentos.

Certamente, você já teve contato com algumas dessas personalidades tão negativas. As pessoas mal-intencionadas podem agir das mais diversas maneiras para nos prejudicar. Elas mentem, abusam da nossa confiança e nos abandonam quando não precisam mais de nós.

Talvez um dos mais cruéis e perigosos tipos de pessoas maldosas sejam aquelas que se disfarçam de bondosas, as quais podem nos deixar com feridas emocionais profundas. Sem respeito, lealdade e empatia, são movidas exclusivamente pelo desejo de abusar e magoar, e não se dão por satisfeitas até que tenham conseguido prejudicar a vida alheia.

Elas entram em nosso caminho com sorriso largo, contagiante e coração aparentemente escancarado. Fazem de tudo para se dar bem com a gente e conquistarem um espaço em nosso círculo social, alimentando cada dia mais o sentimento de confiança na gente.

Com a convivência, passamos a acreditar que as suas intenções são positivas e que elas são amizades com as quais podemos contar em qualquer momento. Nós nos abrimos cada vez mais para elas sem fazer ideia de que tramam às nossas costas e nos desejam o mal.

Pessoas cruéis disfarçadas de bondosas são algumas das companhias mais perigosas, porque são mestres em manipulação e enganação, e sabem exatamente como nos ganhar e controlar. Elas conhecem o nosso coração e elaboram táticas perfeitas de vitimização e controle para nos terem como seus bonecos, que sempre fazem tudo que querem. Fingindo uma bondade que desconhecem, são capazes de se infiltrar completamente em nossas vidas, prejudicando os nossos sonhos e nos causando muitos problemas ocultamente.

Quando conseguimos desmascarar um maldoso disfarçado, podemos sentir que o chão saiu de nossos pés. Essas pessoas, por quem muitas vezes nos afeiçoamos, conseguiram nos enganar por muito tempo e menosprezaram um sentimento de carinho e lealdade verdadeiros de nossa parte.

Abusaram da nossa boa vontade e empatia e sugaram tudo aquilo que podiam, para depois nos virar as costas sem nenhum remorso. Sua maldade é uma das mais cruéis, e as cicatrizes das suas feridas nos acompanharão por um bom tempo.
Quando somos vítimas desse tipo de situação, não há nada que podemos fazer além de tomar todo o tempo necessário para nos reconstruir e manter os olhos bem abertos para as novas pessoas que chegam ao nosso caminho.

Usar as nossas dores como aprendizado é a chave para não repetirmos os erros!

Comente!

Nova Zelândia quer proibir gradualmente a venda de cigarro

Artigo Anterior

Pais descobrem homem estranho falando com bebê através de babá eletrônica

Próximo artigo