publicidade

Não haverá ano novo se você continuar o mesmo!

De que adianta pular doze ondas, jogar flores para Iemanjá e vestir branco se no primeiro dia do ano, depois da ressaca, todos seus rancores e dissabores estão de volta à sua vida?

Por que comer lentilhas e colocar sementes de romã na carteira, para ter dinheiro, se durante o ano você continua a se comportar como se ele caísse do céu e não se esforça nem um pouco para melhorar sua condição de vida e permanece responsabilizando terceiros pelas suas falhas, seus gastos e seu fracasso?



De que adianta o vestido vermelho e usar lingerie nova, em busca de um novo amor, se seu o coração continua duro e julgador dos erros alheios?

Para que entoar mantras e orações pedindo paz no mundo e dias depois compartilhar inverdades, fofocas e destilar veneno no ambiente familiar, social ou de trabalho?

De que vale esvaziar gavetas e armários para dar espaço ao novo e ao mesmo tempo não desocupar a mente e a alma dos maus pensamentos e péssimas vibrações?

Idealiza-se muito, age-se pouco e reclama-se de tudo. Um novo ano, por si só, não muda nada. Quem precisa mudar para fazer acontecer somos nós. O primeiro de janeiro só funciona como marco de alguma transformação quando há determinação para tanto. O Réveillon, para muitos, pode acontecer em uma quinta-feira dezessete de um mês qualquer; um sábado vinte e cinco em julho; ou a sexta-feira treze de agosto, se assim estabelecermos.


A simbologia de ano novo é da renovação e do despertar, como um rito de passagem. De quebra ainda podemos participar de tantos outros anos novos, contando no calendário as datas comemorativas, como o ano novo chinês, o judaico (Rosh Hashaná), o wicca. Porém, um Eu Novo, por renovação de sentimentos e de projetos independem de data pré-estabelecida pelo calendário. Ele “nasce” sem festa e sem pessoas celebrando ao redor.

O Ano Novo pessoal é íntimo, introspecto e decidido. Os demais são festa. Trinta e um de dezembro/primeiro de Janeiro é celebração social repleta de brinde, abraços e beijos. O Ano Novo pessoal funde-se à determinação de se alcançar um objetivo. É um marco fixado tão profundamente dentro de nós que o Universo o reconhece e passa a agir de acordo com nossas determinações.

Não precisamos desistir da comemoração do Réveillon. Mas como o verbo – comemorar –  define, reconhecê-lo como celebração.


O Ano Novo pessoal ultrapassa a celebração, passando a significar “minha própria verdade”. De nada adiantam mil promessas para o ano novo se você continuar o mesmo.  Feliz “Ser Novo”, no dia que você determine!

Namastê!

______________

Direitos autorais da imagem de capa: kegfire / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.