ColunistasDesenvolvimento Pessoal

Não nascemos resilientes, mas aprendemos a ser, porque é preciso, é preciso aprender a se adaptar às mudanças

Não nascemos resilientes 01

Dá para ser resiliente o tempo todo?



Já respondendo à pergunta: de cara, eu acredito que não, acredito que não seria algo saudável tentar ser resiliente a todo momento.

Por quê? Aprendi por experiência própria que, uma hora, você precisa sentir, sentir aquilo que o incomoda, sentir aquilo que faz seu coração apertar, sentir aquilo em que você não quer nem pensar ou falar a respeito, mas é só assim, primeiro, se permitir sentir e depois tentar entender por que esse sentimento o faz ficar assim.

E você faz isso com questionamentos e respostas verdadeiras, sem tentar se enganar, e isso o torna incrivelmente consciente de si mesmo, mesmo ainda não tendo as respostas concretas e, às vezes, nem vamos ter mesmo.


Mas será que precisamos ter respostas para tudo?

É besteira começar a reclamar das coisas, você acaba atraindo vibrações pesadas para si mesmo, atrai outras pessoas em vibrações reclamonas e até mesmo torna o ambiente desagradável, e você acaba nem vendo o belo que pode estar bem à sua frente, basta parar e olhar com atenção.

Agradecer é um excelente remédio para você começar a enxergar sua vida por outro ângulo, e nesse fluido começa a se lembrar de quantos buracos você saiu, de quantas vezes sentiu a dor e depois seguiu em frente. Expressar o que você sente, de forma responsável, sem medo do resultado, mas sim se felicitar pelo processo de saber pôr para fora e o que você sente é libertador.

Exercite-se! Libere serotonina!


Praticar algum exercício físico regularmente o ajuda muito a se tornar uma pessoa mais resiliente. Nosso corpo é uma máquina que precisa se exercitar de alguma forma; não nascemos para ficar sentados ou em pé o dia inteiro. Nossa espécie evoluiu, mas ainda temos alguns traços dos nossos ancestrais e, por fim, quando praticamos qualquer atividade física, liberamos serotonina, conhecida como o hormônio da felicidade, por isso a sensação de bem-estar. Serotonina é um neurotransmissor que faz a ligação dos neurônios.

Oração cotidiana e terapia

Adquirir o hábito de rezar também é muito bom, independentemente da crença, ou seja, de como é feita a reza, o importante é você acreditar que a causa primária de tudo está contigo, em todos os momentos. Sair e olhar a natureza como parte de si, respirar fundo e apostar suas fichas em você mesmo, sem precisar da aceitação das pessoas, isso o fortalece.

Fazer terapia é outro canal potente para se conhecer, pois nem sempre conseguimos ir a fundo em nossos questionamentos.


Ser resiliente também é saber absorver energias boas, é plantar o fruto, o qual você acredita ser bom para si na sua colheita, é prevenir-se, para que a doença não precise chegar.

Por fim, não nascemos resilientes mas, ao longo da vida, aprendemos a ser, porque é preciso, é preciso aprender a se adaptar às mudanças, pois elas sempre existirão, aprender a superar obstáculos, em vez de nos vitimizar o tempo todo, saber encontrar soluções para cada problema e focar nelas, não no problema, utilizar os nossos fracassos como uma caminhada enfrentada para onde queremos chegar, superar as perdas e entender que tudo nesta vida tem um ciclo de início, meio e fim.

Contudo, alguns que se vão levam um pedacinho da gente, porém somos seres que se regeneram, apesar de nunca voltarmos a ser os mesmos de antes. Demos nosso passo à frente e não importa se tivemos de dar dois para trás, contanto que foi para andar mais quatro para a frente.

É preciso viver a dor, assim como se vive também a felicidade.


“Nada é fixo, nada é permanente.” (Zen-Budismo – Monja Coen)

“Na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.” (Lavoisier)

 

Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: Aekkasit Rakrodjit/123RF Imagens.


“uma pequena frase transforma uma vida inteira, que dirá um livro?”

Artigo Anterior

Os 7 defeitos por trás de uma pessoa teimosa

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.