publicidade

Não podemos mudar o passado, mas podemos construir um futuro diferente! (se joga!)

Um conto de Réveillon…



Não podemos mudar o passado, mas podemos construir um futuro diferente! (Se joga!)

Este ano resolvi atender ao pedido de minha mãe e ir passar o Réveillon na casa da minha tia. Aos 36 anos já não tenho mais paciência para algumas coisas, cansei dos Réveillons passados e esse ano algo me dizia para fazer algo diferente. Resolvi ceder, de coração aberto agradeci o convite e me entreguei a uma reunião familiar como há tempos não fazia…

Como de costume a casa estava cheia, mas eu seria capaz de reconhecê-lo dentre milhares de pessoas em qualquer lugar…fitei-o entre os convidados e não consegui ouvir mais nada do que estava se passando à minha volta, um arrepio me percorreu a espinha, senti um frio na barriga e o coração acelerado, enquanto eu tentava equilibrar a taça de prosecco entre meus dedos…Eu não o via há anos, talvez minha recusa em participar das reuniões familiares era uma tentativa de não cultivar o amor platônico que eu sentia, vivia.

Ele sempre me olhava, mas algo me dizia que ele sabia que eu era completamente apaixonada por ele e fazia aquilo para me provocar e zombar de mim…Era um olhar demasiadamente provocante, exibicionista, ele tinha o ego inflado e sabia que mexia comigo. Minha impotência mediante esta situação era insuportável, meu silêncio e distanciamento foram as armas utilizadas para minha autoproteção. A esta altura da vida, coleciono inúmeros relacionamentos fracassados e um coração partido…E agora ao reencontrá-lo é como se o coração partido voltasse a bater…agora mais forte…mais vibrante!


Ele me viu, nossos olhares se cruzaram por alguns segundos e isto pareceu uma eternidade, passou um filme em minha cabeça, todas as oportunidades que tive e toda a minha falta de coragem…o olhar dele continuava inebriante e eu continuava toda entregue, sem me entregar! Toda dele, sem nunca ter sido dele!…Que raiva da minha falta de atitude! Decidi mudar o fim desta história, ela não poderia de novo terminar na mesma pasmaceira, afinal, eu não tinha nada a perder! Fui falar com ele, ele pareceu surpreso com a minha aproximação, me abraçou apertado, me beijou no rosto, me olhou…

Conversamos longamente, um bom papo regado a prosecco, estávamos diferentes, mais experientes, eu mais segura, confiante e totalmente “desencanada”. Percebi que quando relaxamos é que as coisas que desejamos são favorecidas e quando temos que passar por alguma coisa, é para o nosso amadurecimento, passamos e saímos melhores, crescemos!


O tempo passou rápido naquele olhar, naquele sorriso…Quando dei por mim…10…9…8…7…6…5…4…3…2…1! Ele me beijou, um beijo longo e apaixonante, seus braços me envolviam, sua mão segurava meu cabelo…Enquanto os fogos de artifício ecoavam, eu saboreava o meu deleite…eu, dele! Era como uma adolescente, nesta altura da vida, mas e daí? Eu merecia isto em toda a sua intensidade! E isto era só o começo…


(Eu a vi, ela me olhava, há anos não a encontrava nas festas de fim de ano, estava mais bonita, mais madura, a garota que me olhava com um olhar curioso e inocente não estava mais ali…ela veio até mim em um caminhar seguro, quando chegou perto, tive a certeza, essa mulher sabe o que quer! Eu sabia que tínhamos uma pendência do passado, algo que eu estaria totalmente disposto a resolver agora, o momento perfeito…enquanto ela falava, enquanto ríamos, eu só pensava…meus lábios no dela. E assim fomos rumos a 2016! Não sabemos o que esperar do amanhã, então vamos viver o hoje com toda a intensidade!)

Fabiana Dainese Mauch

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.