ColunistasComportamento

Não preciso ser forte o tempo todo. Não tenho que provar nada a ninguém, a não ser a mim

não tenho que ser forte

Já ouvi, já falei, e garanto que você também, a frase: “Você precisa ser forte”!



Pergunta que não quer calar: Por quê? Será que eu tenho mesmo que ser forte o tempo todo? E se “hoje” não estiver a fim? E se algo aconteceu que abalou de forma pesada a minha estrutura? Sou feita de carne e osso. Não sou um robô!

Está bem, eu sei que sou dona do meu nariz. Se eu quiser, posso me dar o direito de estar “frágil”, sem a necessidade de me tornar uma pessoa fraca!

Decididamente, eu não quero ser forte o tempo todo.


Em certos momentos, por experiência própria, é melhor sair de cena, recompor a maquiagem, ajeitar o cenário e só depois de uma imersão, voltar ao palco. Precisamos de reorganização, de suspiros, de quietude e por que não, terremotos internos?

Meus silêncios e minhas discussões internas são meus grandes aliados. Viro uma conchinha. Fecho-me e entro em uma espécie de “balanço”. Só eu entendo esse mundo que tenho dentro de mim.

Não me importo que me vejam assim, fragilizada. Não tenho que provar nada para ninguém, a não ser para mim.


Durante um bom tempo, isso era inconcebível. Desencanei. Eu sei o que sou e quando preciso tomar meus “antibióticos” para curar meus temores.

Quero poder escolher meus momentos de casulo, de ser “cuidada” por outros. Faz-me muito bem sentir-me “aninhada”. Quero deixar escorrer as lágrimas que precisar, sem vergonha ou censura. Isso não me torna fraca! Apenas me faz entender que preciso de momentos de introspecção.

Quero sorrir de minhas fraquezas e entendê-las. Sem conhecê-las a fundo, não posso tratá-las.


Amo a vida e tudo que ela me entrega. Mesmo que num primeiro momento me falte a compreensão. 

Calma, longe de ser masoquista, aliás, muito longe mesmo disso, mas gosto de saber que tenho força para levantar quando preciso. Alimento-me de amor e carinho. De amizade. Encho-me e recarrego-me com afagos e sorrisos.

Se vivêssemos situações perfeitas todos os dias, que graça teriam nossas vidas e conquistas?


Volto a afirmar com todas as letras, pontos e vírgulas: não preciso ser forte o tempo todo e mostrar minha fragilidade não faz de mim alguém fraco e sem propósitos.

A maior fraqueza que podemos ter é perder a nossa capacidade de amar e de nos relacionar. Deixar morrer as trocas de experiências que a vida nos dá. Então, fique atento!

Por Pathy Bertão, hoje encolhidinha em seu ninho!



Direitos autorais da imagem de capa: wallhere.com / 593415


Depressão não é meio de vida, bipolaridade não é frescura, ansiedade não é falta do que fazer

Artigo Anterior

Egoísmo: o comportamento que adoece o mundo

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.