“Não quero ter razão, quero ser feliz!” – E essa é a lição, e a bênção, dos ciclos.



“Não quero ter razão, quero ser feliz!”

Existe a viuvez porque o outro faleceu, a viuvez de parceiros, amizade ou de qualquer coisa que deixou de fazer parte da sua vida.

Costumo usar muito esse termo (viuvez), pois independente da situação o fato de se encontrar só consigo mesmo é a mesma.

É um reaprender a viver apenas consigo mesmo, um resgatar tudo aquilo que adormecemos por que não fazia sentido junto com o outro, é um redescobrir-se.

É encontrar um novo meio, uma nova pessoa em meio ao caos, a destruição de sentimentos, a fragilidade de nosso ser mediante o silêncio.

É um reeguer-se novamente, mais pura, mais simples, uma nova página em branco para novas histórias.

É voltar a acreditar em si, a se olhar de forma pura, genuína, de encontrar no passado as respostas para o futuro.

É ser novamente o alicerce da própria vida.



Durante muito tempo a seguinte frase esteve na porta do meu quarto: “Não quero ter razão, quero ser feliz!”, hoje ela não está mais, mas cada vez faz mais sentido.

E essa é a lição, e a bênção, dos ciclos. Ser feliz, sem fazer a menor questão de se ter razão – sobre o que quer que seja.

Vamos viver, é assim que a vida é constituída, de momentos e histórias, boas ou ruins, apenas histórias.

E vida que segue.

_____________

Direitos autorais da imagem de capa: undrey / 123RF Imagens






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.