Não se parta em pedaços apenas para completar os outros!

Muitos de nós levam o altruísmo ao extremo e se partem em pedaços para tornar, aqueles ao nosso redor, inteiros.

Queremos satisfazer suas necessidades e tomamos a responsabilidade por sua felicidade para nós mesmos.

É claro que é uma missão nobre e nos ensina muito sobre o que realmente é o amor, doar sem esperar nada em troca. No entanto, quando vivemos um padrão de apenas nos doarmos, sem nunca receber nada em troca, podemos acabar prejudicados emocionalmente.

Aquelas pessoas que têm o hábito de se doar por inteiro e em excesso geralmente o fazem sem perceber. No entanto, quando as feridas em seu coração atingem um ponto crítico, acabam se conscientizando das consequências de uma vida vivida apenas para outro, sem considerar a si mesmas em seu plano de felicidade.

Abaixo está uma lista de comportamentos que representam, na prática, o que é se despedaçar por outros:

  • Colocar os desejos de nossos amados na frente dos nossos sempre. Fazer isso uma ou duas vezes é natural, até mesmo ideal para o bem de um relacionamento, todos temos que ceder em algum momento. O problema começa quando essa se torna uma ação frequente e a pessoa acostuma e sente que sempre será prioridade.
  • Ceder à manipulações e ameaças de pessoas próximas e todos os dias ajudá-las em tarefas e responsabilidades.
  • Mantermos amizades egoístas e tóxicas, nas quais o único interesse da outra pessoa é falar sobre sua própria vida, nunca dedicando tempo para entender mais sobre nós.
  • Adiar nossos sonhos ou planos de vida em favor dos de outra pessoa.
Pode ser difícil lidar com esse padrão de comportamento, porque é difícil nos convencermos de cuidar apenas de nós mesmos e deixar que cada um se responsabilize pela própria vida. Por esse motivo, o equilíbrio deve ser prioridade e você deve conservar apenas relacionamentos nos quais existe reciprocidade.


As feridas causadas pela falta de reciprocidade

Os nosso relacionamentos interpessoais nada mais são do que interações saudáveis, nas quais ambas as partes têm liberdade para expressarem suas opiniões, desejos e sentimentos. Qualquer relação baseada nas vontades de apenas uma pessoa não são satisfatórias e sempre acabam em dor e sofrimento. Todos precisamos ser reconhecidos como importantes, valiosos e essenciais. O desejo de reciprocidade não é egoísta, é fundamental.


A verdadeira reciprocidade…

  • É poder recusar algum convite por estar cansado, ocupado ou desanimado, sem sentir culpa, porque sabemos que a outra pessoa entenderá e não julgará, porque entende que temos nossas próprias necessidades e direitos.
  • É saber que desistir de si mesmo leva à frustração e infelicidade, e esforçar para manter um equilíbrio entre sua vida pessoal e relacionamentos.
Para estarmos bem e oferecermos nosso melhor, primeiro precisamos estar bem com nós mesmos, e esse bem-estar vem através do reconhecimento, respeito e consideração. Exigir isso não é egoísmo, mas um ato de amor-próprio.



Deixe seu comentário