ColunistasComportamento

Não sei quem etiquetou as roupas por faixa etária. Não vou usar nada que não me sinta bem usando!

Não sei quem etiquetou as roupas por faixa etária. Mas não vou usar nada que não me sinta bem usando

Tenho 40 anos e ainda não sei quem etiquetou as roupas por faixa etária. Mas não vou usar nada que não me sinta bem usando.



Vestido e bota. Short ou mini saia e bota. Ou botina. Ou coturno. Ou tênis de cano alto. Gosto. Desde que me entendo por gente.

Camisa xadrez, anel de falange, unhas pintadas de preto ou de cores escuras, cabelo comprido. Gosto. Me sinto bem assim.

Entendam. Não me visto assim para ir ao trabalho, porque o ambiente é de escritório e não um estúdio de rádio ou uma empresa de marketing ou criação. Senão iria também. Também não vou trabalhar com roupa social porque realmente não gosto. Faço um meio termo…uma saia quase indiana, um vestido longo que dê para usar com bota…


Simplesmente gosto do estilo e me sinto bem com ele. E tento, contra todos os olhares tradicionalistas que esperam que eu use um tailleur para trabalhar ou uma roupa igual a de todo mundo para passear, usar roupas que me deixam à vontade comigo mesma e com a forma que enxergo o mundo.

Mais eis que sinto saudade de uma tia e quero visitá-la. Lá irei encontrar meus primos da mesma idade que eu. Todos tradicionais, famílias montadas conforme o figurino. E eles são cruéis: “Você pegou essa roupa emprestada da sua filha?”… ”Você acha mesmo que ainda tem 20 anos?”…

Não. Não acho. Tenho 40 anos e ainda não sei quem etiquetou as roupas por faixa etária. Mas não vou usar nada que não me sinta bem usando.

Mas voltemos à visita na casa da tia. Me visto e me olho no espelho antes de sair. Resisto porque sou teimosa. Mas volto a olhar… talvez se eu tirar a bota e colocar uma sapatilha básica fique mais normal para encarar os primos. Coloco a sapatilha e tento me animar dizendo que farei os primos felizes. Saio indignada comigo mesma por me importar com as críticas que viriam e chego na minha tia. Primos e primas à postos, me olham e já vão dizendo: “Olha!


Finalmente tirou a bota! Mas colocou uma sapatilha hippie… comprou em qual das viagens doidas que você faz?”… ”Ela não tem jeito mesmo… quer ser a diferente da família!”…

Daí me pergunto: adiantou tentar agradar? Adiantou tentar mostrar que sei sim que já tenho 40 anos?

Não. Porque nem todo mundo é igual. Precisamos entender isso. Meus primos precisam entender que eu não gosto das roupas e destinos que eles gostam.

E eu tenho que entender que eles sempre irão criticar o que não gostam. Assim, seremos mais felizes e poderemos conviver melhor com todos. Certo?


Da próxima vez irei de havaianas… mas, com anel no dedo do pé!

Não há nenhum plano b quando se trata do amor.

Artigo Anterior

Nunca sabemos o que vai dentro do amém de cada um, mas Deus tudo sabe!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.