4min. de leitura

Não sou completa, nem incompleta. sou aquilo que fiz, o que busquei e o que, com loucura, deixei acontecer…

Só quero poder contar minha história do jeito que sou, do jeito que sei.

Hoje acordei sentindo o chamado da vida.



Não reclamei, não fiquei me perguntando por que o que eu queria que desse certo não deu.
Ora bolas, não era pra ser!

Talvez, porque Ele, lá em cima, saiba muito mais do que eu.

Talvez porque Ele queira que eu aprenda com as lições da vida e aceite as coisas como chegam por imposição do destino.


Meu itinerário tem sido a fé. Tenho tentado me equilibrar na corda bamba da vida.

Os dias têm sido assim. Mais abertos, menos espaçados dentro de mim.

Hoje, lembrei-me de coisas boas, lembrei-me daquela saudade que atravessa o outro lado do mundo.


Por um segundo, eu me fiz chegar até lá onde quer que ele esteja. E espero que esteja bem.

Talvez eu tenha sido um receptor de memória, tenha fotografado instantes mágicos com o olhar do amor.

Não posso culpar ninguém, não posso me destruir. Não posso me inquietar por gente que não se lembra de mim.

Eu valho a pena. Eu valho cada centímetro da minha alma, cada centímetro dos meus devaneios, cada centímetro dos meus desejos de paz e conquista espiritual.

E se for preciso aprender mais, que venham novas lições, que venham novos chamamentos, novos sentimentos mais borrifados de cor e luz.

Não estou aqui para atrapalhar a vida de ninguém. Estou aqui pra produzir o meu melhor.

Quero ostentar o simples, ostentar a minha percepção para as coisas vistas por outro prisma.

O coração vai bem. Por vezes, vai à desordem, por vezes se arruma. Por vezes jura coisas a si mesmo, sem melodramas.

Só quero estar em paz. Só quero poder saber que dentro do peito já filtrei muita coisa e que me purifiquei melhor. Só quero sentir que ainda tenho pelo quê me apaixonar, sentir, colher.
Já nadei, já naufraguei, já emergi. Renasci.

Só quero poder contar minha história do jeito que sou, do jeito que sei.

Quero zelar por quem me confia amizade sincera, quem não me escolhe pelo que posso oferecer.

Não tenho nada. Nada possuo. Sou do que Deus planejou, do que Ele tem feito acontecer.

Só possuo o olhar, que por vezes se cruza com as estrelas numa imensa constelação de inspiração. Que se deita em meio ao som da voz do silêncio.

Se existe um jeito certo de aprender a viver, eu não sei. Por vezes, eu me desconheço.
Por vezes, planto um jardim inteiro de sementes produtivas. Por vezes, limpo todas as ervas daninhas.

Só quero cruzar a linha da felicidade e me entrelaçar no abraço mais demorado do mundo e dizer que muita coisa valeu a pena.

Já vivi de remendos, já me retalhei. Não sou completa, não sou incompleta. Sou aquilo que fiz o que busquei e o que, com loucura, deixei acontecer.

Síl. Guidorizzi

______________

Direitos autorais da imagem de capa: mindof / 123RF Imagens

Você sabia que O Segredo está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.