Comportamento

Natália, do “BBB 22”, vira boneca pelas mãos de artista plástico de SC

capa site Natalia do BBB 22 vira boneca pelas maos de artista plastico de SC

Para meninas e mulheres com vitiligo, conseguir se reconhecer em um objeto tão icônico como a boneca é mostrar que existe representatividade em todos os espaços.

Todos os corpos considerados fora do padrão hegemônico — branco, magro e heterocisnormativo — buscam formas de se encontrar na sociedade onde estão inseridos. Não importa o nível da militância ou da consciência, todas as pessoas querem encontrar seus pares, achar locais em que fiquem confortáveis com suas existências, tendo sua beleza reconhecida pelo que é.

São muitos os indivíduos que veem sua existência sendo negada, enxergando-se completamente sós, e em muitos momentos sem conseguir sequer receber e dar amor. Se nossa existência é sustentada pelas trocas, pela comunicação e interação, como as pessoas subjugadas e preteridas vão se sentir nessa mesma sociedade?

Por incrível que pareça, o padrão de beleza é construído para que nunca seja atingido pela maioria da população, como se fosse um item disponível apenas às elites. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 54% da população do país é composta de negros e pardos, ou seja, a maior parte dos brasileiros.

Não parece irônico que mulheres brancas e magras sejam reconhecidas como ícones de beleza em um país onde a maior parte é constituída por negras e pardas? A discussão acaba permeando não apenas o setor de beleza e tudo que o envolve, mas todos os outros da economia, refletindo a desigualdade de gênero, raça e classe que percorre as entranhas do país.

A quantidade de meninas negras que não têm a oportunidade de se reconhecer em personagens dos quadrinhos ou desenhos infantis, que não têm a oportunidade de brincar com bonecas parecidas consigo mesmas e que não encontram representatividade em nenhum espaço de poder é grande.

O artista plástico Vanio Tomé, de Criciúma (Santa Catarina), compartilhou em seu perfil do Instagram o vídeo em que homenageia a sister Natália Deodato criando uma boneca igual à modelo, copiando inclusive seu estilo. O designer já tinha feito homenagens semelhantes a artistas como Anitta, Bruna Marquezine, Marília Mendonça e Beyoncé.

2 Natalia do BBB 22 vira boneca pelas maos de artista plastico de SC

Direitos autorais: reprodução Instagram/ @vaniotome

A publicação aconteceu logo depois das acusações de agressão que Natália sofreu de Maria durante o programa, polêmica que resultou em expulsão e ligeira mudança no clima da casa. Se antes a modelo estava sendo excluída pela maioria dos participantes, deixada de lado e frequentemente humilhada com comentários e gestos agressivos, depois do ocorrido, muitos brothers têm levado a relação com mais cautela.

Vanio Tomé escreveu em sua legenda que Natália merecia uma homenagem só para ela, por isso tinha dedicado tanto de seu tempo, amor e carinho para fazer com que a boneca ficasse o mais parecida possível com a modelo. O trabalho é delicado e exige tempo. Com um pequeno pincel, ele marca as áreas despigmentadas da pele, característica do vitiligo que a sister tem.

3 Natalia do BBB 22 vira boneca pelas maos de artista plastico de SC

Direitos autorais: reprodução Instagram/ @vaniotome

Além da roupa costurada do zero, ele ainda colocou a boneca de Natália em uma caixa com sua foto, escrito doll Natália (boneca Natália, em tradução livre). Nos comentários, muitos usuários fizeram questão de falar quão bonito estava o trabalho do artista, reforçando que ele possui muita facilidade para desenvolver obras tão delicadas e cheias de mensagens de impacto.

4 Natalia do BBB 22 vira boneca pelas maos de artista plastico de SC

Direitos autorais: reprodução Instagram/ @vaniotome

Além da representatividade impressa na figura de uma boneca negra, as manchas de vitiligo também trouxeram como pauta a questão da necessidade de as pessoas “fora dos padrões” conseguirem se enxergar em figuras ou personagens de destaque. Muitos seguidores apontaram a importância do trabalho, algumas mães afirmaram que precisam comprar para suas filhas, para que consigam não apenas se reconhecer na boneca, mas também lidar com as diferenças humanas, algo inerente à nossa existência.

0 %