ColunistasReflexão

Nem percebemos e o ano já se foi…

 Segundo Pedro Albuquerque, psicólogo clínico “A expressão “piloto automático” descreve um estado da mente na qual a pessoa age sem uma intenção consciente ou sem a consciência da percepção sensorial do momento presente. A capacidade para operarmos em piloto automático é altamente desenvolvida na espécie humana. Confere-nos uma vantagem evolucionária considerável originando, no entanto, uma vulnerabilidade para o sofrimento emocional. “



A mente cria o tempo todo, e enquanto você tentar controlar suas emoções ou pensamentos com ela apenas terá mais e mais maremotos de sensações e pensamentos tristes, paralisadores, e isto é o que cria a falha na memória a sensação de que os outros estão vivendo e você não, sensação de estar sempre correndo ou em estado de urgência (Quero paz mas, não consigo…) porque você turbilhonou sua cabeça com toneladas e toneladas de ideias para controlar seus pensamentos e emoções.

nem-percebemos-o-mundo-capa-e-foto-01

É preciso aceitar que você é uma BAGUNÇA.  Sim, você é uma bagunça e isso é natural. Você pensa de mais, sente de mais, e pensa coisas “nada a ver” e sente coisas “nada a ver”, e que ótimo.


Como diria o melhor consultor existencial que já conheci “O amor foi entregue de maneira incoerente em nossas mãos para os nossos gestos darem a ele sentido”, e isso é tudo! Se você está no piloto automático é porque há um conflito muito grande entre quem você é e quem você deveria ser, então escolhe não presenciar a vida em toda sua infinidade aleatória e bizarra, mas sim, buscar uma matemática racional que diz que você não é suficientemente bom para viver. Isso se torna confortável para que você apenas observe os outros vivendo.

Outros que, como você, escolheram assistir e imaginar, em detrimento de observar e agir.

Saber pilotar a própria vida exige vontade, treino, dedicação, busca interior incansável, verdadeira e profunda! Quem não estiver feliz com a própria vida precisa arregaçar as mangas e ampliar sua visão de mundo. Antes de dormir, depois de relaxar e se desligar da agitação do dia, experimente se perguntar: o que aprendi hoje?

Qual foi a minha contribuição para tornar o mundo um lugar melhor? Como posso aplicar o aprendizado de hoje na minha vida? As minhas atitudes estão me aproximando ou me afastando dos meus objetivos?


Deixe que as respostas surjam, espontaneamente, sem interferir na informação que vem de dentro. Ao nos colocarmos perguntas fortalecedoras, nossas respostas serão pontos de luz a mostrar o caminho a seguir. Não são poucas as pessoas que após anos de dedicação a uma determinada profissão, empresa e até mesmo relacionamento param e para fazer um retrospecto e sentem uma insatisfação pessoal que por mais desejem identificar quais são suas raízes, sentem-se como se precisassem recomeçar tudo novamente ou, então, dar um novo sentido às suas vidas.

Isso é muito comum quando ao homem contemporâneo, pois grande é a parcela mundial que se entrega à aceleração tecnológica, às pressões do trabalho e, por vezes, deixam sua qualidade de vida e o próprio bem-estar em décimo plano. Mas há um momento em que o “copo transborda” e tudo vem à tona.

Quando isso ocorre já não dá mais para fechar os olhos e seguir no automático, como se tudo estivesse transcorrendo às “mil maravilhas”.

Celestine Chua, em postagem super-interessante aborda essa questão: Are you sleepwalking your life away? 


Comenta Celestine que não devemos viver a vida como sonâmbulos, sem consciência, sem noção dos nossos sonhos e das nossas metas.

Ela enumera oito perguntas instigadoras para fazermos a nós mesmos para evitar o sonambulismo existencial, são elas:

nem-percebemos-o-mundo-foto-02

1-O que é a vida para você? Você tem noção da vida no grande espectro além daquilo que está na sua linha de visão?


2-Qual é o seu propósito de vida no médio e longo prazo? As coisas que você faz estão alinhadas com os propósitos?

3-Você se nota fazendo as mesmas coisas semana a semana como se estivesse no piloto automático?

4-Você se vê fazendo muitas coisas que enchem as horas, mas não adicionam valor à sua vida? – fofocas, reclamações, festas, comida, jogos, TV.

5-Você se sente infeliz, se deixando ir com a corrente, abdicando de qualquer controle e responsabilidade?


6-Você se sente muito ocupado para fazer as coisas que realmente gosta?

7-Você se pega desligado, sem a percepção dos pensamentos e emoções?

8- Você se sente desmotivado e sem ambições?

Deixe de viver no piloto automático e descubra o quão influente você pode ser na sua vida e na vida de outras pessoas, se conhecimento é poder, autoconhecimento é o seu poder!


Mensagens a todas mães e pais que perderam seus filhos…

Artigo Anterior

Nunca te vi, sempre te amei…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.