publicidade

Ninguém é capaz de perdoar tudo por amor

O amor tem a medida exata da dignidade que nos sobra ao final do dia, ao final da jornada, tendo sua duração estendida ou diminuta, conforma o tanto que se rega.



Por mais que haja paixão, não existe amor que sobreviva após machucar-se reiteradamente. Simplesmente porque não existe quem perdoe tudo por amor.

Amar é fácil, difícil é manter o amor vivo, porque o tempo desgasta, cansa, traz decepção, lamentos e dúvidas. Todo mundo se mostra de verdade enquanto os dias passam, pois é impossível conhecer alguém de imediato, visto que demoramos para mostrar tudo o que realmente somos.

O cotidiano torna tudo menos cor-de-rosa e acaba por retirar toda e qualquer máscara que se tenha sustentado de início. Mentiras caem por terra, segredos são revelados, histórias passadas retornam do nada. É no arroz com feijão que a verdade aparece, é na convivência diária que a gente se mostra para além das poses e encenações utilizadas enquanto se conquista o outro.


Por essas razões, um dos maiores erros de qualquer parceiro vem a ser o pensamento de que possui crédito o bastante para errar com o outro, na certeza de que suas falhas sempre serão mais fracas do que o amor que une o casal.

Munidos dessa certeza, muitos acabam errando de novo e de novo, sem pesar o quanto machucam o parceiro, sem se colocar no lugar de quem está ali ao lado, decepcionando-se cada vez mais.

Pois é exatamente essa convicção de que será perdoada que impede a pessoa de rever os próprios atos, adequando-se às exigências mínimas que uma vida a dois requer. Enquanto isso, uma das partes se exaspera e morre um pouquinho por dentro, a cada dia, a cada dor, a cada decepção, a cada vacilo daquele que ama. E, assim, o amor acaba por arrefecer, por diminuir lenta e dolorosamente, porque não há sentimento amoroso que consiga atravessar caminhos espinhosos sem mudar, sem se tornar menos, nulo, nada enfim.

O amor verdadeiro é forte, resistente, compreensivo, mas não é condescendente. O amor tem a medida exata da dignidade que nos sobra ao final do dia, ao final da jornada, tendo sua duração estendida ou diminuta, conforma o tanto que se rega.


Por mais que haja paixão, não existe amor que sobreviva após machucar-se reiteradamente. Simplesmente porque não existe quem perdoe tudo por amor.

 

Publicado originalmente em Prof. Marcel Camargo.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.