Comportamento

“Ninguém me parabenizou pela chegada da minha filha”, desabafa mãe de criança com síndrome rara

A mãe fez um relato sincero sobre a sua experiência com a maternidade. Confira!



Eliza J., mãe de uma menina portadora de síndrome rara, falou ao Love What Matters sobre a realidade com a filha e lançou uma luz sobre a solidão das mães que vivem a mesma realidade.

A mulher sempre quis engravidar, sonho que compartilhava com o marido. Após um tempo, ela conseguiu, compartilhou esse momento tão especial com outras mulheres próximas que também estavam grávidas.

Sua gravidez foi muito fácil e tranquila, apesar de ser considerada de risco, já que Eliza tinha 35 anos quando carregava a filha. No entanto, ela fazia o acompanhamento médico da maneira correta.


Direitos autorais: arquivo pessoal.

Durante a espera, todos estavam ansiosos pela chegada da menina Bella, e a mãe conversava com todos sobre as características que a bebê herdaria, com quem mais se pareceria e curtia a ansiedade gostosa de esperar pela filha.

Um mês antes da data prevista, a bolsa de Eliza se rompeu, o que a deixou bastante preocupada, pois as coisas ainda não estavam totalmente prontas, mas ela foi para o hospital.  Durante o parto, ela precisou ficar de lado, porque os médicos viram que sua frequência cardíaca diminuía muito.

Na hora de empurrar, a futura mãe ficava de barriga para cima, mas logo depois voltava à anterior. Nesse momento, Eliza começou a achar algo estranho, aquilo não fazia sentido para ela. Os médicos conversavam muito, mas ela não conseguia entender o que estava se passando.


Foram 12 horas de trabalho de parto até que Bella finalmente chegasse ao mundo. Eliza percebeu que a orelha da filha estava dobrada e que era muito pequena, mas imaginou se tratar de algo normal, já que tinha ouvido que as crianças nasciam “amassadas”.

Direitos autorais: arquivo pessoal.

Mesmo sem ter visto a filha direito, ela já estava muito feliz e animada com a sua chegada, mas não percebeu a mesma reação nas pessoas ao seu redor. A mulher disse que ninguém a parabenizou, nem seu marido, que parecia assustado.

Vários profissionais da equipe médica começaram a entrar e ninguém lhe dizia nada, para que se sentisse feliz e parabenizada nesse momento. Assim que conseguiu ver a filha, notou que ela era “diferente”.


Bella precisou ser levada às pressas para a UTI neonatal, mas Eliza pediu para segurá-la e desabou de emoção. Ela não ligava para as diferenças da menina, apenas queria lhe oferecer todo o amor e cuidado possíveis.

Direitos autorais: arquivo pessoal.

Direitos autorais: arquivo pessoal.

Depois de um tempo, ela recebeu o diagnóstico. A bebê nasceu com a síndrome de Treacher Collins, uma condição hereditária, impedindo alguns ossos e tecidos do rosto de se desenvolver, exigindo dos portadores serem submetidos a cirurgias desde o começo da vida.


Eliza e seu marido se esforçam diariamente para oferecer o melhor da vida à filha, e ela se orgulha de cada vitória da família, dizendo que não mudaria nada em sua realidade, pois a transformou em uma pessoa melhor.

No entanto, sobre o relacionamento com a sociedade de maneira geral, Eliza pede mais sensibilidade com as mães de crianças especiais, dizendo que, apesar de a vida ser imprevisível, com a ajuda das pessoas, o dia a dia se torna muito mais fácil.

Toda mulher se encanta com os homens destes 4 signos. Eles têm um charme irresistível!

Artigo Anterior

“Meu pai pôs o nome da amante em mim para ter desculpa se a chamasse sem querer”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.